9 de fevereiro de 2017

Valquírias: Uma Antologia para Chamar de Minha (Literalmente....)


Perto do início do ano passado, a Fernanda, também conhecida como dona Traça, lá do The Bookworm Scientist, anunciou que estava organizando uma antologia de contos de fantasia na qual as histórias seriam escritas e protagonizadas por mulheres. O livro foi batizado de Valquírias, em referência às deusas da mitologia nórdica, responsáveis por levar os guerreiros tombados em batalha para o Valhalla, onde aguardariam a grande batalha no dia do Ragnarok. Aí que decidi participar com uma história e acabei tendo um conto selecionado.

Após muito trabalho, muitas revisões e um longo trabalho de edição, agora em janeiro o livro foi publicado. O evento de lançamento oficial foi dia 05 de fevereiro, e era para ter publicado essa resenha na ocasião, mas acabei me atrapalhando um pouco com os prazos e só agora consegui me sentar para escrever.

Há um preconceito com autoras mulheres, a sugestão de que elas só sabem escrever romance água com açúcar. E, se por um lado, não há nada de errado sobre romances água com açúcar, por outro, esse tipo de limitação é bem ridículo. Como bem dizem por aí, lugar de mulher é onde ela quiser, incluindo aí escrevendo fantasia. E antes que digam qualquer coisa sobre essa noção estar ultrapassada, é bom lembrar que a mais bem paga autora do gênero (talvez de toda literatura), assinou seus livros apenas com suas iniciais justamente para que ninguém decidisse passar direto pela prateleira ao ver um nome feminino na lombada.

Sim, estou falando de J. K. Rowling.

Dar voz às mulheres, como muito bem observa Aline Valek no prefácio de Valquírias faz parte de um contexto maior, não apenas na Literatura, mas na própria História - o que, aliás, é abordado em vários dos contos da antologia, como o Se as bruxas não lutam, elas queimam, que já me conquistou pelo título e trata de um grupo de mulheres num universo medieval desejando conhecimento - aprender a ler, escrever, contar; Skuld assiste a uma batalha, em que uma das valquírias desafia os códigos de honra de homens e deuses para premiar aquilo que ela enxerga como bravura; Aquilo que permanece, no qual a protagonista tem de lidar com seu papel descartável dentro de uma sociedade machista, mas encontra na melhor amiga companheirismo, lealdade e paixão; ou ainda As Filhas da Lua, cuja transformação maior não é se tornar uma loba, mas pela primeira vez sair da sombra dos irmãos e encontrar seu lugar no mundo.

Não apenas dá-se vez ao protagonismo feminino, como também há uma diversidade muito grande, com personagens de todas as idades, de várias etnias e diferentes orientações sexuais. São personagens que se rebelam contra o status quo, que lutam por aquilo em que acreditam, que são capazes de se sacrificar por suas convicções. São as irmãs de Tecelões e também de O santuário de Liara, a elfa de Entre o amor e a glória, a competidora que abre mão da vitória em A noite mais escura, e as amazonas de A Última Batalha; e sim, é também a minha Elidore, de Kelpie. Elas desejam conhecimento, companheirismo e acima de tudo, respeito.


Há releituras de contos tradicionais, como o excelente O Outro Lado da Maçã, com a surpreendente versão da Rainha Má e uma Branca de Neve que aprende a valiosa lição de amar a si mesma; uma criatura do folclore japonês com mais empatia que seres humanos em Dama de Gelo; uma versão de Boadiceia atrás de vingança em A rainha de fogo; deusas que abrem mão de posições de poder para possuir liberdade em A batalha de Freya e até mesmo um conto narrado pela Morte, apaixonada pela rainha guerreira de Coisas Vivas. Tem o gótico de A conjuradora de almas, o mítico em Fogo escarlate e o steampunk de A espada de gelo; o rancor como arma em Não tenha medo e a introspecção de um momento de transição Entre cinzas e o fogo

Como em toda antologia, a qualidade dos contos é irregular, com alguns excelentes e outros medianos, mas há potencial para tanta coisa maior derivar dessas histórias - romances inteiros talvez, com mundos e mitologias próprias que, num espaço tão curto como o limite do livro, foram apenas pincelados. Ainda assim (e não digo isso por ser a autora de uma das histórias), é um livro gostoso de ler, que tem muito a apresentar, muitas autoras para conhecer e ficar de olho para poder ler o que mais elas escreverem.

Terminando por hoje… vai rolar sorteio de um exemplar de Valquírias aqui no Coruja. Deixem nos comentários do post nome, e-mail e respondam porque querem ler o livro (não vale responder ‘porque sim’, até porque estou curiosa sobre o que vocês acharam da ideia da antologia). O resultado sai em um mês, dia 09 de março!

Ficha Bibliográfica

Título: Valquírias - Antologia
Autor: Vários
Editora: Darda
Ano: 2016

Onde Comprar

Darda Editora


A Coruja


____________________________________

 

8 comentários:

  1. Nome: Fernanda
    E-mail: fe.lou71@outlook.com

    Interessa-me ver histórias escritas por mulheres. Bela iniciativa. Fiquei curiosa para saber mais.

    ResponderExcluir
  2. Mas é ruim que vou deixar de passar a oportunidade de ter algo escrito por ti na minha estante! ��

    ResponderExcluir
  3. Nome: Maria Fernanda
    Email: mariahfe@gmail.com

    Eu quero o livro porque apesar de ser uma fã de carteirinha de romances com açúcar acredito que as mulheres são capazes de muito mais do que isto, são capazes de escrever qualquer coisa q quiserem e este livro é a prova concreta disto. E claro, tendo coisa de Lulu escrita, a gente sempre quer!

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de ganhar porque achei bem interessante a proposta de releituras de contos tradicionais. Fique curiosa pra conhecer essa abordagem. Espero ganhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu nome é Maize. Fiz o comentário antes de seguir o blog. E mail maizedanielaabc@hotmail.com

      Excluir
    2. Oi, Maize! Não se preocupe que está contabilizado. Já deixei anotado aqui ;)

      Excluir
  5. Ola!!!

    Danielly
    Email: daniellyws@yahoo.com.br
    Ola Lu e Fernanda!!!
    Meninas estou muito feliz por esta realização de vocês. Confesso que até como leitora já fui vítima de muito preconceito porque a maioria de livros que eu leio é taxada como "Romance água com açúcar" que muitas vezes esses romances, até então ridicularizados como bobos, são um soco no estômago de muito machista!!! Amo romances e leio-os mesmo. Ultimamente comecei a me aventurar em leituras de contos e me surpreendi em como estou gostando de ler mais contos. Fantasia sempre foi dentre os que geralmente assisto, meus favoritos, amo filme de fantasias, mas livro deixo a desejar, embora quando leio sempre me surpreendo o quanto gosto. Por isso que quero muito ler "As Valquírias" primeiro porque estou amando ler contos e segundo porque quero ler mais deste gênero tão empolgante e de imaginação sem limites que é a fantasia. sempre leio muito mais mulheres e admito que elas não tem tido seu valor como escritoras excelentes que em geral são, claro que já conquistamos muito em direitos e independência para mulheres, os livros de Austen e das irmãs Brontë estam ai para mostrar o quanto conquistamos, mas acho que este caminho ainda está longo até chegar na igualdade, espero muito ganhar este livro que tenho certeza que vou gostar.
    Bjos
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Laura
    email: laura.cunha@gmail.com
    Gente! Vi essa antologia na rede e fiquei super curiosa! Mas confesso que andei gastando dinheiro demais com livros e agora estou precisando segurar a onda, logo, o meu motivo para participar do sorteio é financeiro. A razão para eu ler é simples, já faz uns 2 ou 3 anos que comecei a ter mais consciência dessa questão feminina na literatura em geral, e eu faço um grande esforço para equilibrar minhas leituras entre autores de ambos os gêneros (ainda não li nenhum autor trans ou outras variações, aceito sugestões) e também tenho tentado incluir livros que sejam mais variados em termos de personagens, tanto de gênero quanto de etnias e também orientação sexual e até personagens especiais. E fico muito feliz ao ver que temos tido mais opções ultimamente. E mais, temos opções com essas variações em diversos estilos literários, o que mostra que somos muito mais variados do que imaginamos, e isso é lindo. Levando em consideração que também gostaria de aumentar meu conhecimento e minhas leituras de autores nacionais, esse livro certamente vai cair como uma luva!

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog