24 de dezembro de 2016

A Vertigem das Listas: Doze Coisas Boas que Aconteceram no Passado, no Presente e no Futuro


Tayla: Como 2016 foi difícil, hein, gente?

Lembro que ano passado nós estávamos todos desesperados para que 2015 acabasse logo, mas penso que 2016 conseguiu superar as desgracenças dele. E temo que 2017 seja um ano ainda mais pesado.

PORÉM! Nem tudo é tristeza, nem tudo é choro. Mesmo no meio da Tsunami de Desgraça ainda aconteceram algumas coisas legais aqui e ali. E mesmo que essas coisas tenham sido pequenas, quiçá insignificantes, ainda é importante lembrar que elas aconteceram e que tudo não foi perdido =]

Por este motivo, o tema do Vertigem de dezembro será: Doze Coisas Boas que Aconteceram no Passado, no Presente e no Futuro. Explicando um pouco, cada um de nós quatro (infelizmente a Dani não pode participar neste mês) falará de alguma coisa BOA que aconteceu nos anos que se foram, uma deste mardeto ano e algo bom que nós esperamos que ocorra no(s) ano(s) vindouro(s).


Lulu: É sempre bom tentar se concentrar na parte boa, não é? Tentar lembrar que não foram só tristezas esse ano… Que saímos de 2016 com alguma boa recordação…

Tayla: Como manda a regra da casa, eu vou começar falando da minha coisa boa do passado. Esse foi difícil. Tiveram várias pessoas (e pets) que surgiram na minha vida e foram importantes, mas não queria expô-las aqui. Também não quero falar de algo “insignificante” como a receita de farofa natalina que “herdei” da minha avó (farofa muito gostosa, por sinal), então vou ser previsível e falar de podcast. Já comentei aqui em algum lugar como os podcasts me ajudaram a atravessar um processo de depressão gigante, então não vou me repetir. Vou só deixar a recomendação dos podcasts da galera do Jogabilidade que é, provavelmente, o grupo de podcasts que mais escuto ultimamente e até ajudo no Patreon. =D

Lulu: Do passado não é tão difícil assim de responder; basta eu olhar para o painel de fotos na minha parede e consigo responder essa fácil: as viagens que fiz nos últimos anos são, sem dúvida, uma das melhores coisas que ficaram na lembrança.


Lulu com Nessie, próximo ao lago Ness, na Escócia

Gosto muito de viajar e tive a oportunidade de conhecer lugares que sempre ‘incendiaram’ minha imaginação. Correr trecho na França, na Inglaterra e na Escócia - essa última uma viagem que fiz sozinha - foram sonhos realizados. Volta e meia eu me pego pensando nos lugares que visitei, que me impressionaram e que me inspiraram e já começo a querer planejar a próxima.


Ísis: Viajar é bom! Descobrir lugares e coisas novas são experiências muito deliciosas!

Bem, ano passado, eu consegui meu mestrado. Embora isso tenha sido particularmente marcante, o que eu vou apontar é a presença dos meus pais por duas semanas aqui no Japão comigo para a formatura. Usei um hakama, como é costume (para as meninas), e fiz surpresa para eles em relação a isso. A expressão deles quando me viram foi marcante, e é minha primeira indicação.


Ísis é quase uma japonesa!

Dé: Vou admitir que é um pouco complicado pra mim olhar as coisas boas, vendo o mar de merda que foram 2015 e 2016, mas eu acho que tenho a coisa certa pra mencionar.

E uma das coisas boas está no meu colo no exato momento que escrevo isto, enquanto a outra está me chamando pra brincar na sala. Meus cachorros certamente me trazem muita alegria e são excelentes companheiros. E eu sou babão sim!


Thor e Nala

Tayla:A coisa boa do presente foi a mais fácil de escolher, na verdade. Ela acabou de acontecer e tem um impacto gigante na minha vida: EU ME FORMEI! FINALMENTE. Bwahahahahahaha.

Vocês não imaginam o alívio que isso me dá. *Suspiro*

Verdade que ainda faltam as horas de estágio que não fiz, mas já apresentei o TCC e não estou devendo mais nada! Ô felicidade!


Lulu: Então, do ano presente foi um pouco mais difícil de encontrar, não necessariamente porque só me aconteceram coisas ruins em 2016, mas porque as coisas ruins meio que superaram as boas e ainda estamos no meio do processo de uma delas…

Mas, enfim, tem o fato de que tive uma história selecionada para publicação na Antologia Valquírias, e isso me deixou bem feliz. Terei notícias sobre o livro para falar depois por aqui no Coruja, mas a ideia de ter em mãos um livro que ajudei a escrever certamente me enche de contentamento.


Ísis: Tayla, parabéns!!! \o/

E tomara que 2017 dê uma revirada na negatividade de 2016 para você, Lulu! ^^

Minha segunda indicação segue a mesma linha da primeira. Esse ano fui ao Brasil fazendo surpresa para meus pais. A reação (totalmente oposta) dos dois é uma lembrança que levarei para a after-life. Mamãe pulou do sofá quando me viu - nunca a vi se mexer tão rápido! - e gritou meu nome, enquanto papai ficou me olhando uns 5 segundos estático, acho que tentando processar a informação visual…. Lol


Dé: A coisa boa do presente, para mim, é, sem dúvida nenhuma, minha namorada. Às vésperas de completar um ano de namoro, ela esteve e está sempre do meu lado, pronta pra me apoiar nos momentos ruins e bons, uma coisa que sempre vou ser grato.

Tayla: Já falei de algo “sentimental” e de algo acadêmico, agora vou falar de algo materialista mesmo. Hahahahaha

É algo bem pequeno, na verdade. Eu quero jogar Persona 5. De preferência no PS4 (que eu não tenh$), mas aceito a versão de PS3 também. Simples assim.



Persona (assim como os outros jogos de SMT) é uma das minhas séries de JRPG favoritos e estou esperando esse jogo há anos! Finalmente ele vai sair em fevereiro no ocidente e eu quero muuuuito jogar. Pena que não sei japonês se não tinha pedido para a Isis me enviar uma cópia =P


Lulu: Está prevista para acontecer cá no Recife, em abril, a primeira Comic Con fora de São Paulo. Fui a CCXP no final do ano passado e me diverti muito e estou animada para repetir a experiência aqui. A CCXP Tour Nordeste é uma das coisas que estão me deixando com mais expectativa para 2017, sem sombra de dúvidas!

Ísis: Eu vi vídeos de “Shadowhunters” na CCXP agora de dezembro (2016), e fiquei com muita vontade de ir à próxima! ^^

Entretanto, para 2017 eu espero conseguir uma outra bolsa para poder continuar - e, preferencialmente - terminar o doutorado. No caminho que está no momento, não vai dar para terminar não… #ChoraLitros


Dé: Para 2017, não sei bem o que eu espero, sabem?

Acho que um ano tranquilo, sem uma desgraça atrás da outra, tanto pessoais quanto para o mundo, seria o meu pedido. O mundo inteiro precisa de uma folga, depois de 2016, e eu de todo coração espero que esse desejo se realize, se não em todo, ao menos em parte.


Lulu: Também espero isso, Dé. Acho que todo mundo espera…

Bem, pessoal, por hoje é só e nos despedimos desejando a todos um feliz natal, repleto de gostosuras, presentes e pessoas queridas! Ainda tem post esse ano, então não vou me despedir por completo, mas, é, acho que esse Vertigem já serve meio que como retrospectiva e resoluções de ano novo, né?




____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog