27 de novembro de 2016

Desafio Corujesco 2016 - Um Livro para Terminar em Um Dia || Uma Real Leitora

Quando menina, uma de suas maiores emoções havia sido a Noite da Vitória, quando ela e a irmã tinham se esgueirado para fora dos portões e se misturado, incógnitas, à multidão. Havia algo parecido com isso na leitura, ela sentia. Era anônima; era compartilhada; era comum a todos. E ela, que havia levado uma vida apartada, agora descobria que tinha fome daquilo. Ali naquelas páginas e entre aquelas capas podia caminhar incógnita.
Descobri esse livro numa lista publicada no Randomicidades de livros sobre livros e leitores - que é o tipo de referência que adoro encontrar nas minhas leituras, seja em ficção ou não ficção. Eu saí colocando um monte dos títulos no meu Skoob, e depois olhei o que tinha para troca e Uma Real Leitora era um dos que aparecia por lá… E gente, sério, a sistema de trocas do Skoob é uma das melhores coisas do mundo… Enfim, solicitei, chegou rapidinho, no dia seguinte comecei a ler e devorei em pouco mais de uma hora: a história tem 111 páginas e flui fácil, fácil, é uma gostosura de ler.

Engraçado que quando vi a sinopse, pensei que Alan Bennett tinha escrito uma fanfic - há uma tag bastante comum em sites do gênero, RPF (real person fiction), que é só para usar personagens reais nas suas histórias imaginadas. E, de fato, a protagonista aqui é a atual rainha da Inglaterra, Elizabeth II, e muitos dos personagens com quem ela interage são bastante reais. Mas Bete é um gancho e poderia ter sido substituída por uma monarca completamente ficcional - o verdadeiro foco do livro é o ato de ler e a forma como a sociedade enxerga os leitores.

Tudo começa quando a rainha se depara com a biblioteca itinerante de Westminster estacionada em um pátio próximo a cozinha. Por uma questão de educação e protocolo, Bete pega emprestado um livro, e depois outro e mais outro, e quando se dá conta, está apaixonada pela leitura, por esse mundo infinitamente vibrante e tão diferente do rígido protocolo diário com que está acostumada. O problema é que o novo hobby da soberana afeta seus deveres públicos - ela começa a fazer perguntas inesperadas e embaraçosas a seus assistentes, a questionar certas regras, a sair completamente da agenda.

O fato de a rainha não estar dando a performance esperada em suas exibições para a platéia de súditos que tem de entreter, exaspera seus camaristas, que passam a conspirar para livrar a monarca desse novo hábito pernicioso. Afinal, eles não precisam de uma rainha capaz de pensar por si e de fato interessada no que acontece ao seu redor, mas de alguém que siga o protocolo e balance a mãozinha e nunca passe do superficial em suas conversas.

A questão é que o ato de ler é egoísta. É uma tarefa solitária, que isola o leitor daqueles que estão ao seu redor - ou, pelo menos, isso é o que argumentam os opositores dos novos hábitos de tia Bete (estou ficando cada vez mais íntima a cada parágrafo dessa resenha…). Não concordo com essa afirmação e tampouco o faz a rainha. Ler, afinal, fez com que ela saísse de sua zona de conforto, fez com que ela descobrisse Norman, o auxiliar de cozinha que ela conhece na biblioteca itinerante, a quem faz seu secretário particular e com quem discute muitas de suas leituras. Ler fez com que ela se interessasse mais, não menos, pelas pessoas ao seu redor.

A leitura nos ensina empatia. Isso é algo que Bete, como leitora, percebe várias vezes ao longo do livro. Ela se identifica com personagens, com autores - e em mais de um momento ela se entristece por ter começado tão tarde, por ter conhecido tantos daqueles escritores em seus anos de trono e não ter explorado aquelas mentes maravilhosas, não ter aproveitado essas oportunidades.

Uma Real Leitora é divertido, subversivo e também bastante incisivo em muitas de suas observações. É um livrinho delicioso, leve, sem ser bobo. E na medida certa para terminar em um único dia.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Uma Real Leitora
Autor: Alan Bennett
Tradução: José Rubens Siqueira
Editora: Record
Ano: 2008

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Saraiva || Submarino


A Coruja


____________________________________

 

3 comentários:

  1. Uau!!! Preciso ler esse livro agora! Até porque já me acostumei com a Bete na nova série do Netflix, The Crown, já viu? Vale a pena :-D
    Olha, esse mês eu li um monte de livros nesse tema, porque, bom, é rápido, né?
    Beijos!
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/12/o-arabe-do-futuro-2.html
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/11/o-arabe-do-futuro.html
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/11/marvels.html
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/11/o-paraiso-sao-os-outros.html
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/11/azul-e-cor-mais-quente.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô querendo ver a série, só me falta tempo... Nossa, lesse um bocado de coisa... depois vou dar uma olhada nas suas leituras. É um tema legal pra gente avançar nas leituras, né?

      Excluir
    2. pois é... dá pra ler muito hahahaha

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog