9 de junho de 2016

Para ler: A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison

Porto Alegre. Dirigíveis gigantescos dominam o céu. Abaixo, o vapor cinzento dos bondes, das fábricas e dos estaleiros ao redor soma-se à fumaça dos charutos, dos cachimbos e das cigarrilhas. Vozes robóticas, barulho de hélices e maquinários misturam-se ao alarido do povo. De um Zepelin, desembarca Isaías Caminha, um jornalista carioca enviado à cidade para escrever uma matéria sobre o assassino em série Antoine Louison, que há poucos dias assombrava o local com um verdadeiro show de horrores - a exposição dos órgãos de suas vítimas. A aventura começa depois que o Dr. Louison, finalmente capturado e preso no hospício, desaparece misteriosamente de sua cela de segurança máxima sem deixar vestígios. Nesta busca pelo paradeiro do assassino, Isaías e um grupo de investigadores ainda vão topar com conhecidos do Dr. Louison, pertencentes a uma sociedade secreta de intelectuais, chamada Parthenon Místico, que estão dispostos a tudo para defendê-lo e desmascarar os criminosos. Esses amigos de Louison são alguns aclamados personagens da literatura brasileira, em reinvenção - Rita Baiana e Pombinha, de Aluísio Azevedo, Simão Bacamarte, de Machado de Assis, Solfieri, Álvares de Azevedo, entre outros.
A primeira coisa que gostaria de dizer sobre esse livro é que volume gostoso de ler! Foi uma surpresa muito agradável e agradeço a oportunidade que a CCPX 2015 me deu de conhecer o autor e a obra. Eu talvez não tivesse ido atrás do livro se não me visse presa da curiosidade ao ver o grupo vestido de trajes steampunk.

Steampunk, claro, porque a história, que se passa na Porto Alegre do início do século XX, repleta de robôs e dirigíveis, relaciona a abolição da escravatura com a revolução das máquinas, sendo contada em forma epistolar, através de diários e cartas. Nesse aspecto, lembrou-me muito o formato narrativo de Drácula, embora com muitas pitadas de Jack, o estripador no lugar de vampiros romenos.

Embora seja uma história de suspense, repleta de ocultismo, teorias da conspiração, e cenas de crimes de revoltar o estômago, há um humor autodepreciativo que contrabalança seu peso, humor esse que já se inicia do índice e no dramatis personae, brincando com o leitor ao assumir um tom bastante teatral.

Essa escolha também perpassa pela forma como se usa a linguagem, numa encarnação mais antiga do português tradicional, a um tempo ironizando a nova gramática e tornando mais crível os documentos que vão nos sendo apresentados - afinal, se a história se passa num determinado tempo, é justo que se use a linguagem da época.

O autor fez ainda um excelente uso da intertextualidade, com personagens saídos diretamente das páginas de clássicos da nossa literatura. Considero o quanto gosto de descobrir pistas e referências nos livros que leio, nem preciso dizer o quanto me diverti em fazer as ligações entre os personagens e suas obras originais.

A história fecha bem e poderia se conter num único volume, mas dá margem também a continuações - especialmente porque há muitos mistérios no ar, especialmente sobre o passado dos ‘mocinhos’.

A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison é um livro que me surpreendeu positivamente, divertido e inteligente, resultado, sem dúvida, de uma boa pesquisa história. Quero mais.

Antes que me esqueça, recomendo a visita ao site dedicado à obra, o Brasiliana Steampunk, repleto de material extra.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison
Autor: Enéias Tavares
Editora: Fantasy
Ano: 2014

Onde Comprar

Amazon || Cultura || Saraiva


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog