2 de junho de 2016

Desafio Corujesco 2016 - Um Livro com um Personagem Animal || Seven Wild Sisters

If they'd ever been a couple, I guess he'd been the one to end it. I already knew that Aunt Lillian wasn't too happy about it, but now I got the sense that maybe he wasn't either. I thought about some of the things he'd been saying, then looked at the pair of them.

Old as she was with her own wrinkles and all, Aunt Lillian was probably more like an apple tree fairy now than she'd probably ever been in all the time he'd known her. Maybe the reason he'd been seeing less of her now than he used to wasn't so much because of what fairies can wake in a human, but because year by year she grew more attractive to him and he didn't trust himself around her. Figured they'd be happy for a time, but then she'd be gone, seeing's how our lives are so fleeting, while theirs go on forever. Maybe he just knew he couldn't bear the heartbreak.

And maybe I was just being a hopeless romantic and there wasn't any such thing going on between the pair of them.
A primeira vez que descobri Charles de Lint foi numa antologia de contos em que vários autores escreviam suas versões de contos de fadas. A forma como ele trabalhou a história dele me chamou tanta a atenção que fui atrás de mais, e assim foi que coloquei as mãos em The Very Best of Charles de Lint… e caí completamente de amores pelo estilo do cara.

Por esses dias, encontrei Seven Wild Sisters - uma das obras infanto-juvenis do autor - em promoção na Amazon, numa edição toda ilustrada pelo Charles Vess - de quem também gosto muito em razão dos trabalhos dele com Neil Gaiman. Não houve como resistir e lá fui eu comprá-lo.

A primeira coisa que tenho a dizer sobre esse livro: ele é lindo. Sério, eu fiquei apaixonada pela delicadeza das ilustrações e pelo universo que elas nos revelam. As ilustrações são todas coloridas, a qualidade do papel é muito boa e fiquei feliz da vida com minha aquisição, porque comprei uma edição muito bem trabalhada pelo preço normalmente atribuído às edições mass market, de papel fino e sem cores.

A história segue Sarah Jane - uma das sete irmãs do título -, que se torna amiga de uma senhora idosa vizinha no vale em que moram. Com tia Lillian ela aprende a cuidar da terra, descobre as histórias de fadas e, por um ato de compaixão, termina se colocando em meio a um feudo entre a corte das fadas abelha e os homens das nogueiras.

Seven Wild Sister tem um enredo simples, mas confortável e satisfatório na maneira como se desenvolve. Adoro a forma como de Lint trabalha o folclore com a modernidade, como ele consegue fazer o extraordinário se tornar algo mais próximo e mais crível. As personagens, com ênfase nas sete irmãs, são interessantes - e mais de uma vez me peguei pensando em como esse era o tipo de livro que eu gostaria de ter lido quando criança, como Sarah Jane é o tipo de heroína com quem eu teria me identificado.

Com toda a tensão que existe a partir do momento em que entramos no universo das fadas, levados pelo Homem da Macieira, é impossível deixar de sorrir toda vez que Lil’ Pater - um dos gatos da floresta de Tanglewood - surge. Lil’ Pater se insere na melhor tradição do Gato de Botas e o gato Cheshire e rouba a cena sempre que aparece.

Ao terminar esse livro, fiquei com muita vontade de ler a história da tia Lillian ainda jovem, que é contada em The Cats of Tanglewood, bem como me aventurar pelas histórias adultas do autor, com sua linguagem vívida e musical, sua atmosfera de conto de fadas e seu conhecimento de mitologia e folclore.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Seven Wild Sisters
Autor: Charles de Lint
Ilustrações: Charles Vess
Editora: Little, Brown Books for Young Readers
Ano: 2015

Onde Comprar

Amazon || Book Depository || Cultura


A Coruja


____________________________________

 

3 comentários:

  1. *.* Fiquei super curiosa! Preciso ler!

    ResponderExcluir
  2. menina... desisti do meu livro desse tema, realmente não consigo continuar, muito chato. Então, li outro bem atrasada, mas aqui está! É do Terry Pretchett, só para agradar e ver se você aceita mais facilmente a minha situação hahahahaha
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2016/08/dragons-at-crumbling-castle-and-other.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huahuahuahu... Pratchett é sempre a melhor pedida XD

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog