11 de agosto de 2015

Para ler: Norte e Sul

- Tenha cuidado... Se você não falar nada eu irei considerar de um modo estranho e presunçoso que você me pertence. Se quiser que eu parta, mande-me embora imediatamente, Margaret!

Quando ele a chamou pela terceira vez, ela virou o rosto ainda coberto pelas mãos alvas na direção dele, e colocou-o no seu ombro, escondendo-o ali. E era delicioso sentiro rosto macio dela contra o seu. Ele a cingiu nos braços e ambos ficaram em silêncio.
Clássicos são livros para os quais passamos a vida retornando e, a cada releitura, acrescentam algo novo: eles dialogam conosco em diferentes épocas de nossas vidas, ensinando e nos confortando. Eles são universais por apelarem a temas e princípios comuns a todos e, ao mesmo tempo, são bastante pessoais, no sentido de que sua história acaba se misturando com a nossa.

Norte e Sul preenche todas essas condições para mim. É uma daquelas histórias que gosto de recomendar a todo mundo, para a qual retorno de tempos em tempos e que nunca falha em me deixar satisfeita quando termino. É um livro rico em questões com que todos podemos nos identificar, num dos períodos mais importantes da história ocidental, oferecendo uma admirável história de amor combinada ao debate de questões sociais; tudo isso com um elenco de personagens complexo e extraordinário.

A história ocorre na Inglaterra, em plena Revolução Industrial, uma época de extraordinários avanços tecnológicos e degradantes condições humanas. Os dois protagonistas representam a divisão do país: Margaret é o sul rural, John é o norte industrializado; ela é compaixão religiosa e justiça, ele é explorador do proletariado. Esse antagonismo é responsável por muitos dos problemas de comunicação e angústia entre os dois.

O relacionamento deles se desenvolve em meio a criação de sindicatos, crise da indústria têxtil, greves, especulação financeira, discussões sobre direitos dos trabalhadores e responsabilidade patronal. Fala de divisão de classes, do progresso e seu impacto humano.

Há quem diga que a obra-prima de Elizabeth Gaskell ecoa Orgulho e Preconceito, de Austen. Margaret Hale é orgulhosa de suas origens, de seus princípios, de sua criação. Ela é compassiva, mas nem sempre consegue compreender que o orgulho de outros prefira recusar sua caridade. John Thornton é irascível, quase inatingível em nosso primeiro contato com o personagem.

Ele se apaixona primeiro, encantado pelas maneiras, pela altivez e beleza da sulista, e Margaret, nesse momento, representa para ele quase um ideal de perfeição. É inebriado nessa ilusão que Thornton faz sua primeira declaração e a negativa de Margaret é a quebra do pedestal, necessária para que ele de fato se esforce para enxergar a mulher por trás da estátua.

Curiosamente, a partir do momento em que Margaret ‘cai da graça’ na opinião de Thornton, é que ela começa a compreender o caráter dele, entendendo exatamente o que ela deixou escapar.

É forçoso que eles se considerem perdidos um para o outro antes que possam se reencontrar e descobrir que, de fato, eles são iguais, têm os mesmos valores e princípios. Afinal, para que um casamento funcione – ao menos entre pessoas como Margaret Hale e John Thornton -, é preciso mais que paixão (e a relação dos dois é desde o começo sutilmente passional e cheia de momentos para segurarmos o fôlego), é necessário equilíbrio e uma verdadeira união de mentes para que eles possam alcançar sua felicidade.


Mas existe uma grande diferença entre Austen e Gaskell. Aqui somos apresentados a uma sociedade em profunda transformação, cujo foco não é mais uma pequena aristocracia rural: a ação se passa em centros industriais e a ascensão burguesa é um de seus motes. Margaret talvez possa se identificar com uma Elizabeth Bennet mais preocupada com convenções sociais, mas Thornton, muito diferente de Darcy, é um homem que fez a si mesmo, que trabalhou a vida inteira e superou a ruína financeira que o pai lhe deixou com seus próprios esforços.

Embora o romance de Margaret e Mr. Thornton seja a força motriz da narrativa, há dois outros personagens que roubam a cena sempre que surgem.

Mrs. Thornton, a mãe de John, é o pilar do filho, disposta a compartilhar de suas preocupações, formidável em suas opiniões, na forma como se impõe. Embora, vista do ponto de vista de Margaret ela seja quase uma megera, Mrs. Thornton é uma figura materna exemplar – na minha opinião, uma das melhores mães da literatura.

Nicholas Higgins, por sua vez, é o elo que primeiro separa e depois permite a reconciliação entre os protagonistas. Higgins é o líder por trás da união dos trabalhadores e da greve e um feroz defensor de seus companheiros. Margaret o conhece ao fazer amizade com sua filha e através dele é que começa a compreender a forma de pensar do Norte – e, com isso, entender também o próprio Thornton.

Digo logo que, para além do romance dos protagonistas, minhas partes favoritas do livro são as conversas de Thornton e Higgins, especialmente no que elas representam como alternativa à exploração dos trabalhadores.

Eu já tinha esse livro em inglês, mas quando vi a edição da Martin Claret em capa dura, fiquei babando em cima dela. O projeto gráfico é de uma delicadeza que faz jus a esse excelente romance. Em tudo, é um livro que faz gosto ter na estante e para o qual estamos sempre retornando e redescobrindo. Um clássico em todos os seus significados, sem dúvida.

Nota:
(de 1 a 5, sendo: 1 – Não Gostei; 2 – Mais ou Menos; 3 – Gostei; 4 – Gostei muito; 5 – Excelente)

Ficha Bibliográfica

Título: Norte e Sul
Autor: Elizabeth Gaskell
Tradução: Anna Duarte e Carlos Duarte
Editora: Martin Claret
Ano: 2015
Número de páginas: 744

Onde Comprar

Cultura || Saraiva || Submarino


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Acho que assim como Pequenos Deuses, esse é um livro que surgirá na minha vida sacramentado pelo Coruja em Teto de Zinco Quente, hahahaha.
    Faz tempo que escuto críticas maravilhosas sobre Norte e Sul, que aumentaram bastante em volume desde a publicação dessa edição (linda, por sinal). Já estava interessada, mas agora com esse post... vai definitivamente estar na minha lista de próximas leituras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou completamente a favor! Já dei todos os muitos motivos para ler na análise, mas se ainda há alguma dúvida... ele provavelmente vai ser o livro com que vamos abrir o clube do livro no ano que vem ;)

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog