27 de setembro de 2014

A Vertigem das Listas: Nove Casais Que Não São Casais


Lulu: Eu sinto que a Ísis vai ficar ridiculamente feliz com o tema desse mês, que parece ter sido pensado e talhado por ela... mas fui eu que escolhi, porque eu tenho uma mente diabólica e gosto de ver o circo pegar fogo.

Dani: Pederastia? ^^

Ísis: E isso explica muita coisa que acontece nesse zoológico...

Dé: Wait for it...

Lulu: Ou não... na verdade, eu tenho meus próprios motivos para escolher o tema que escolhi e vou explicar à medida que for revelando minhas indicações. Mas chega de enrolação e vamos ao título desse mês: Nove Casais Que Não São Casais.

Ísis: Desconfio que já sei em que isso vai se transformar... #excited

Dani: Pederastia. XD

Dé: Wait for it...

Lulu: O que diabos significa isso, Lulu? Bem, é simples: as indicações são de personagens que embora o cânone não coloque oficialmente como um casal, os fãs gostam e torcem por eles – ou, na expressão mais utilizada pelo fandom, nossos shippers.

Ísis: HUAHUAHUAHUAHUAHUA! YES!!! Agora vai ter que ter cuidado, porque a linha de divisão entre cânone (o que está na história oficial, ou de forma explícita ou citado oficialmente numa publicação ou por algum criador) e não-cânone (aquilo que não é oficial) nem sempre é tão clara.

Dé: RELEASE THE PEDERASTIA!!!

Ísis: YES!!!! \o/

E o bicho tá solto no zoológico! XD

Dani: Agora eu é que tô com medo...

Lulu: Eu gostaria de começar observando que não é necessário que os casais (que não são casais, mas são casais e... me perdi em algum lugar) sejam necessariamente homossexuais. Mas tenho observações a fazer sobre o assunto quando me derem a deixa adequada.

Por exemplo, eu poderia dizer que quando comecei a assistir Avatar, eu fazia torcida organizada para o Zuko ficar com a Katara. Eles nunca foram um casal na série, mas eu sempre achei que tinha muito mais possibilidades entre os dois que como ficaram os casais oficiais...

Ísis: Rapaz, é porque você gosta de casais que brigam e são completos opostos.... LOL

Eu adorei a Mei com o Zuko! (Mas eu não gosto da Katara então não ia gostar do casal que ela fizesse parte de qualquer jeito...)

Dani: Por incrível que pareça eu também. Eles combinam tão bem.

Lulu: Mas, enfim, não são eles que eu vou começar colocando na minha lista. Embora eles sejam um exemplo para o tema desse mês que não se encaixa na simplificação do Dé em que tudo que a Ísis lê é pederastia.

Embora a Ísis seja, de fato, uma questão à parte.

Ísis: ... Se não soubesse que vocês me amam, eu seria uma garota traumatizada... >.>

Dani: Ou isso ou nos esforçamos muuuuito para amá-la.XD (pronto agora eu a traumatizo de verdade!)

Lulu: Ok, para minha primeira escolha, que eu acredito que todo mundo aqui do Coruja vai concordar comigo, é praticamente cânone, eu indico os nomes de John Watson e Sherlock Holmes.

Ísis: Quem está surpreso(a), levanta a mão... >.>

Dé: Pfff... até parece que alguma escolha de vocês duas vai ser surpresa. XD

Lulu: O fato de não ser nenhuma surpresa diz muita coisa sobre o assunto, não?

Dani: Interessante...

Lulu: O bom Doutor Watson e Mr. Holmes são um casal nas histórias escritas por Conan Doyle em praticamente todos os aspectos. Eles são, reciprocamente, a pessoa mais importante na vida do outro – não importa que Watson tenha se casado pelo meio da história; Sherlock ainda vem em primeiro lugar para ele, como é óbvio pelo fato de que basta o detetive chamar e o doutor larga trabalho, esposa e casa para acompanhar o amigo. Eles matam e morrem um pelo outro. Todas as ocasiões em que Holmes demonstra emoção para além de empolgação ou frustração com um de seus casos, essa emoção está ligada a Watson. Existe admiração e respeito entre os dois.

Isso não fica muito óbvio em adaptações mais antigas das histórias, nas quais Watson é tratado como um bobo alegre e alívio cômico. Mas nos filmes e séries mais recentes, a dinâmica do relacionamento deles torna-se central ao plot e há várias brincadeiras dos roteiristas fazendo referência a essa possibilidade de um relacionamento romântico entre os personagens.

Ísis: Rapaz, levei um susto tão grande quando Lulu me ligou um belo dia pra dizer que shippava Sherlock e Watson como casal. Foi a primeira vez, salvo engano, que ela revelou alguma tendência BL. Depois disso foi só alegria! XP

Dé: Pra quem? Eu que tenho que aguentar vocês duas falando o tempo todo de homens se pegando. XD

Dani: XDDD Coitado do Dé!!!

Lulu: Eu nunca fiquei falando de ‘homens se pegando’. O que eu falei foi das possibilidades românticas existentes entre certos casais. (Dani: Sei... ^^) O fato de que existe uma tensão que pode ser lida como subtexto homoerótico. Que existem relacionamentos ficcionais entre personagens canônicos na nossa cultura que têm uma ambiguidade passível de ser interpretada como algo mais.

Ísis: Hããããã... No futuro vai te fazer bem? Sei lá, vai que a tua futura esposa será a maior fã dessas coisas, você dará graças a Deus por ter nos aturado esse tempo todo. ^.^

Dé: Se ela é a maior fã dessas coisas, com certeza não vai estar interessada em ser minha esposa...

Ísis: Discordo, criatura. Uma coisa não impede a outra...

Lulu: Eu ia fazer um comentário cretino sobre fantasias masculinas com mulheres ‘se pegando’, mas vou guardar pra mim...

Dani: Às vezes me pergunto se é o Dé que tem que aturar vocês duas ou o oposto...

Ísis: Bem, como Rainha do BL (sério, já ganhei esse título de dois ou três grupos diferentes... Dani: Uhu!! Boa, Ísis! Viva a Liberdade Sexual!!), obviamente que meus casais não-mas-quase-cânones serão dessa linha. Em minha defesa, a maior parte das personagens femininas de mangás são chatas (e sem motivo), então não dá vontade de torcer por elas. Uma das raras exceções é Shaman King (AMO a ANNA!!!!). Mas enfim, continuando. Há poucos vertigens atrás, tivemos um sobre irmãos, e eu apontei os gêmeos de Ouran. Pois aponto de novo aqui. Sim, seria um casal incestuoso... olhe para a minha emoticon de quem se importa: ¬______¬.

Parecido com a descrição de Sherlock e Watson, Hikaru e Kaoru têm um ao outro como as pessoas mais importantes de suas vidas. Não é que eles sejam pobres (não MESMO) ou que tenham problemas com o resto da família (pense que a família Hitachiin é toda louca mesmo, mas até onde li, todo mundo se ama ali). O problema é que, por serem gêmeos, ninguém conseguia diferenciá-los exceto eles mesmos; nem mesmo a própria mãe.

Resultado: todos olham para eles como se fossem a mesma pessoa, e esquecem completamente que cada um tem uma personalidade diferente. A consequência disso é que ninguém realmente os vê como indivíduos, e eles acabam não conseguindo criar amizades ou sentirem-se amados de verdade. Numa tentativa de chamar atenção (porque eles acabam ficando carentes também), vivem aprontando e são verdadeiras pestes, apesar de já estarem no ensino médio. Eles crescem tendo somente um ao outro como companhia, sem amigos, e bastante defensivos, até que Tamaki aparece e muda a vida deles aos poucos (e Haruhi completa a mudança).

Apresentando um pouco mais de evidências: apesar de terem quartos separados (salvo engano), eles dormem juntos (sério); no anime, Hikaru dorme sem roupa mesmo (e Kaoru só com uma calça). No mangá, Kaoru fala que Hikaru é a pessoa mais importante para ele (mesmo os dois estando apaixonados por alguém), e Hikaru retribui indiretamente depois.


Em resumo: eles são muito grudados e se conhecem bem o suficiente para terminarem as frases um do outro, ou mesmo falarem simultaneamente. Não são um casal oficial, mas fazem várias cenas como tal (agradando imensamente a fãs como eu). Cresceram juntos e passaram pelas mesmas coisas. É uma história de amor linda. ^^

Lulu: Eu não vejo eles como um casal, mas sim como duas criaturas que sabem manipular muito bem as fantasias de suas clientes...

Mas, bem, cada um dá a interpretação que quer...

Ísis: Isso também... Mas a idéia de só terem um ao outro me é muito forte, sabe?

Dani: Hmm... infelizmente não conheço necas de pitibiriba de Shaman King... Vou ficar neutra nessa.

Ísis: Mas é de Ouran... oO

Lulu: Alguém está confuso...

Dé: Bom, chegou minha vez, né?

Quando a Lu e a Isis estavam discutindo sobre o tema desse mês na visita das duas à Fortaleza, eu já tava esperando ver uma tonelada de casais gays (sim, ainda são casais.) e que eu seria o único bastião dos ships heterossexuais.

Ísis: Woooohooooooo!\o/

Dani: Ei! Eu também pensei em vários heteros!! ò.ó

Dé: Exceto que eu não sou shipper! XD Lasquei o Vertigem!

Ou não, considerando que sempre vi Hyoga e Shun como um casal. =P

Dani: Senhor!!! Quem nunca pensou nisso que atire a primeira pedra!!! XDD

Dé: Sério. Acho que todos na minha faixa etária cresceram assistindo a Cavaleiros do Zodíaco, e uma enorme parcela desse público achava que Shun era gay e Hyoga suspeito. Ok, os dois tinham pares românticos (Hyoga é o mais pegador, teve duas!), assim como todo o elenco principal... Exceto Ikki, por que Esmeralda morreu, mas essa história é mais complicada.

Até a infame cena na casa de libra, e a subsequente cena na casa de escorpião, é claro!

Lulu: Vou ser sincera e dizer que nunca percebi o subtexto aí, mas eu era bem, mas BEEEEEMMMMM mais inocente na época em que assistia Cavaleiros do Zodíaco, então isso explica porque a idéia nunca me passou pela cabeça...

Ísis: Pra falar a verdade, eu também. Só prestei mais atenção quando as pessoas ao meu redor apontaram...

E, caramba, ele tava falando sério! oO

Realmente indicou os dois como casal... André, tu subiste uns três pontos comigo agora! :D

Mas, assim, é só por causa daquela parte? Porque, por incrível que pareça, e não é só para contrariar, eu nunca consegui ver os dois sob essa óptica, justamente por não ter mais nada fora aquilo.... (Acho que é agora que o Dé me mata... LOL)

Dani: Meninas, qual é? Como vocês duas nunca viram isso?? Eu sou a caçula aqui e já via algo estranho...

Dé: Nas sábias palavras de Roy Greenhilt: Your approval fills me with shame.

Ísis: E sim, essa cena TODO fã brasileiro comenta. Acho que os japoneses nem tanto, mas os brasileiros... >.>

Lulu: Eu não lembro da cena que estão falando, deu branco agora...

Dani: Ok, agora eu! Apesar de eu apoiar fervorosamente a obsessão para com a pederastia que Dona Ísis tem (Ísis: YES!! <3), (e porque ninguém deixou eu colocar o Gollum com ele mesmo como um casal XDD) vou com o primeiro casal heterossexual da lista: Aragorn e Éowyn, de O Senhor dos Anéis.

Apesar do romance de Aragorn com Arwen ser belíssimo e acabar como deveria (mentira, deveria ter acabado tragicamente, bem ao estilo Oscar de Melhor Filme!! *O*), desde o momento em que Aragorn pisa em Rohan nota-se uma química entre os dois. E honestamente, na primeira vez que vi o filme, eu a achei tão forte que pensei mesmo que eles acabariam juntos, mas no fim obviamente que não.

O engraçado é que mais tarde descobri que a intenção de Tolkien era mesmo fazer com que os dois ficassem juntos, e aparentemente ele só não o fez pois considerava Aragorn muito velho para ela (?????). Vai entender...

Lulu: Eu não sabia disso... como passei batida por uma informação dessas???

Ísis: Bem, ele já tinha quase 100 anos, né? ^^'

Preciso assistir SdA de novo. Não lembro de mais nada (exceto o Legolas derrubando os elefantes porque aquilo me impressionou)...

Dani: De qualquer forma, é um casal que eu gostaria se acontecesse.

Lulu: Minha segunda indicação também é quase praticamente cânone – afinal, como bem já disseram outras pessoas do meio, se a primeira coisa que a Marvel faz ao criar um universo alternativo em que o Homem de Ferro é mulher é casá-la com o Capitão América, então alguma coisa já existia entre os dois.

Sim, a imagem abaixo não é fanart. É imagem retirada dos quadrinhos.


Ísis: Verdade.

Dani: Onde fomos nos meter, hein, Dé? ^^”

Lulu: Esse é um casal que se enxerga muito bem nos quadrinhos. Na veia principal dos quadrinhos da Marvel – o Universo 616 – foi Tony quem encontrou Steve congelado. A voz do Tony (sob a máscara do Homem de Ferro, porque à época ele não revelara a própria identidade) foi praticamente a primeira coisa que Steve ouviu ao ser revivido.

Tony ofereceu a Steve um novo propósito (os Vingadores), uma casa, um lugar no futuro.

Dé: Sem comida e roupa lavada?! Como o Tony é mau marido!

Ísis: É que não é ele que faz isso: ele inventa eletrodomésticos com A.I.’s para tal. XD

Lulu: E Steve retribuiu com uma amizade que em muitos sentidos define o Tony e suas ações – especialmente pelo fato de que Tony parece boa parte do tempo colocar Steve num pedestal.

Não, sério: Tony aparentemente tem uma sala secreta em que ele coleciona qualquer coisa que tenha a ver com o Capitão América. E ele vai lá e fica admirando e se martirizando pelas coisas que fez ou deixou de fazer e por aí vai...

Dani: Olha o amor obsessivo...¬.¬

Ísis: Não posso negar isso... Eu entendo, mas não nego que tem, sim, uma obsessão aí...

Lulu: E não vou nem entrar no ponto da capa “E o Vento Levou...” (Ísis: OI?!) ou do Tony decidindo respirar pelo Steve se sacrificando no meio do caminho.

Os maiores conflitos dentro dos arcos da série Vingadores nos últimos anos têm trabalhado muito a questão do relacionamento dos dois. A tragédia da Guerra Civil, a confusão atual das Incursões dentro de Original Sin tiram grande parte de seu apelo dramático da forma como fazem colidir a amizade e os ideais dos dois.

Ísis: Eu tô morrendo de medo desse arco das incursões. Isso já está arrasando tudo (bem, tudo o que sobrou após a Guerra Civil) e vai acabar com tudo o que ainda existe entre eles... #chorando_prantos

Lulu: Eu parei de ler porque já estava ficando com raiva...

Mas, em resumo, nesse contexto todo, você acaba tendo o Tony em prantos junto ao corpo do Steve e o Steve pensando no Tony quando fala que ser Capitão América quase lhe custou ‘tudo’.

Se quiserem ler mais sobre o assunto, eu recomendo dar uma olhada no manifesto do casal escrito por quem entende bem mais dos quadrinhos e na lista de scans com momentos dos dois juntos.

Ísis: Eu li e adorei... e me convenceu a “shippar” Stony. Depois bastou ler uma fic e fechei o contrato (mas é que eu comecei logo pelo Toasterverse, então não tinha como dar errado).

Uma das coisas que mandarei lapidar em meu túmulo será “Levou Luciana para o lado rosa da força”. Tenho tanto orgulho! :D

Lulu: Essas minhas torcidas não significam necessariamente que você me levou para o lado negro da força, Ísis. Mas sim que sou uma pessoa aberta às possibilidades de interpretação do texto. XD

Ísis: Nunca achei que veria o feitiço virado contra o feiticeiro nesse caso, mas aconteceu. Essa louca me mandou mensagens e mais mensagens e emails e links e, quando dei por mim, estava ajudando ela a “shippar” o casal. #ri_demais

Mas as fics que ela me mandou são tão lindas e convincentes que eu só não fiz um fanart desses dois ainda (afora o que dei a ela de aniversário), porque não tive tempo de sentar para fazê-lo.

Dé: Isis, larga as fics e vai ler os originais! Sua coisa rosa! xD

Ísis: Eu não, obrigada. Elas não me satisfarão (pelo menos até o presente momento), porque Stony ficaria nas entrelinhas (e vejamos que eu leria pelo Stony). Além disso, são anos de revistas. Eu morreria antes de conseguir lê-las. Resultado: leio fics. ^^

Dé: Tu sabe que esse raciocínio não faz o menor sentido, né?

Ísis: A Lulu me entende, então faz. ^^

Dani: Hã?

Lulu: ...

Ísis: Bem, tive problemas com a minha segunda indicação, porque praticamente todas as obras que têm casais “não casais” que gosto ainda estão inacabadas, o que significa que o status cânone/não-cânone fica difícil de ser determinado (e, sim, muitos deles tinham a possibilidade desses casais BL serem concretizados). Outros a situação de cânone/não-cânone é dúbia... Desta feita, resolvi pegar um da segunda categoria, porque, se alguém comentar que é cânone mesmo, eu vou ficar bem feliz. XD

Gundam Wing. 03x04. Um bom entendedor saberá que isso é Trowa Barton e Quatre Raberba Winner. XD

Dani: Jesuis... Mais um que não conheço nada...

Ísis: Trowa é inicialmente, como Hiiro, um estóico, que só pensa em sua missão. Aliás, as “conversas” entre ele e Hiiro são surpreendentemente não silenciosas... Anyway, o 03 (Trowa) era órfão, foi adotado por um circo, e também assumiu a identidade de um assassino. Ele é bastante focado, e é interessante vê-lo passar de “frígido” para “caloroso”...

Quatre, por outro lado, é muçulmano e o único filho homem de uma poderosa família (nas colônias); era, inicialmente (antes de começar a história de Gundam Wing), uma criança relativamente mimada com tendências suicidas (sério, ele se dava valor zero). Quando o conhecemos, contudo, ele já é um amor de pessoa e o único entre os pilotos que não é considerado “uma arma mortal”, por assim dizer. Ledo engano: é excelente estrategista, foi o primeiro a pilotar (e construir) o sistema Zero e, em muitos casos, é ele quem junta os pilotos.

Durante o anime, vemos como os dois se conhecem, passam tempo juntos (mas os pilotos vão passando tempo juntos, ao longo do anime, em vários “troca-trocas”), vão se conhecendo, apreciando um ao outro etc. Depois do anime (no mangá), descobrimos que eles trabalham juntos, e num extra do final da série, temos uma animação com um Trowa bastante preocupado com o machucado de Quatre (que levou um tiro no abdômen) e não quer sair do seu lado.

Outro ponto interessante é ver um Trowa com amnésia, mas, ainda assim, ao reencontrar 04, sentir que “está ouvindo o coração de Quatre chorar” (embora este já esteja na estratosfera da colônia) e que “precisa estar ao lado dele [Quatre]”. Mesmo sem lembrar do loiro, Trowa sai correndo atrás do 04 e vai lutar ao lado deste. Sempre achei lindo...

Pra finalizar, basta prestar atenção que na maioria (sim, mais da metade) das ilustrações oficiais em que temos os 5 pilotos juntos, normalmente eles estão lado a lado. :D

Coincidência? Eu acho que não...


Dani: Eu sempre me sinto A ignorante quando ouço você falar de mangá e anime, Ísis... ^^

Ísis: E eu quando vocês falam de qualquer outra coisa... :P

Dé: Bom, minha segunda indicação vai ser uma pequena surpresa. Aliás, acho que as minhas duas escolhas são surpreendentes...

Ísis: A primeira definitivamente foi.

Dé: Senhor dos Anéis é uma história épica. Uma batalha do Bem contra O MAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAL!



Temos temas de amizade, de superação, companheirismo e um romance aqui e ali. Daí vocês olham pra mim, olham pro tema, e dizem: “O Dé vai shippar Frodo/Sam!”

Ísis: Pensei isso mesmo.

Dani: Todo mundo pensou isso.

Dé: E eu digo: ERRADO!

Bom, eu já falei sobre minha opinião de Legolas/Gimli um tempo atrás em conversas com amigos (e a Lu é testemunha), e morrerei dizendo que os dois são um casal. E Gimli ainda é mais macho que muito homem (hetero) que eu conheço!

Dani: YAY!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ísis: Por mim, tá massa! ^________^

Adorei a defesa! \o/

Lulu: Pra dizer a verdade, não foi bem uma surpresa. Quer dizer, não foi uma surpresa a idéia deles como casal – eu já tinha visto algumas discussões sobre o assunto no fandom. Mas foi uma surpresa ver que você achava que eles formavam um casal.

Eu fiquei relembrando a história depois de ver sua indicação e acho que faz muito sentido. Os dois se tornam companheiros para o resto da vida após a guerra do anel, ao ponto de Gimli seguir com Legolas quando esse deixa a Terra Média.

Dani: Olha o amor obsessivo de novo... XD

Ísis: Huahuahuahua!

Lulu: Aliás, Gimli é o único anão a ter esse privilégio de atravessar o mar e ir para Valinor.

Dani: Bom, pra minha segunda escolha... (Sério que não posso sugerir o C3PO e o R2D2?? ) Eu havia discutido antes com a Lulu sobre isso pois estava bastante indecisa, já que ao contrário dessas malucas - e talvez nisso o Dé me entenda - eu não costumo shippar ninguém... Mas então, sem ideias, fui lá eu assistir de novo os últimos capítulos da 3ª temporada de A Lenda de Korra e então que me bateu!

Bolin e Asami!!!

Eles nunca tiveram lá muito em comum, e mesmo nas duas primeiras temporadas mal vemos os dois juntos, principalmente por ela estar com o Mako na 1ª e tudo mais. Mas nessa terceira, de repente os dois começam desenvolver uma grande amizade; eles aparecem conversando, fazendo piadas, jogando, se abraçando... E não é que eles têm uma ótima química juntos?

Já que muito obviamente a Korra vai acabar essa história com o Mako, seria bem legal se o Bolin acabasse com a Asami. Principalmente porque o coitado sempre se ferra e nunca acerta uma com qualquer garota...

Lulu: Para fechar o nosso polêmico (Ísis: Tu achas?! oO) tema de hoje, vamos de X-Men (Ísis: Ai, meu “padin’ pad’e Ciço”!). Ao contrário de Vingadores, eu não me aventurei pelo mundo dos quadrinhos dos mutantes, apenas fiquei nos filmes. Mas o que eu já olhei dos quadrinhos pela internet pesquisando para escrever esse vertigem (Ísis: E lá vamos nós...) confirma minhas teorias.

Dé: WOLVERINE E HÉRCULES!!! Não, pera...

Dani: Hã???

Lulu: E olhe que esse é um casal que aconteceu, viu, Dani...

Ísis: Tem um herói da Marvel chamado Hércules. Ajuda? ^__~

E, sim, por favor! (Ô pegada boa, aquela!) ^.^

Lulu: Charles Xavier, o Professor X e Erik Lehnsherr, o Magneto supostamente estão de lados opostos numa batalha (Dani: Hmmm, lados opostos... sei bem como... ¬____¬), na maior parte do tempo, tem a ver com direitos civis para minorias. Eles têm posições radicalmente opostas em relação à ideologia e tolerância, um é um pacifista o outro é um terrorista, um prega a convivência entre humanos e mutantes, outro gostaria de ver os humanos, se não erradicados, ao menos transformados em cidadãos de segunda classe.

A despeito desse antagonismo, a existência de um define o outro, porque eles só são capazes de atingir seu verdadeiro potencial – o ponto de concentração entre raiva e serenidade – juntos (ainda que, para Charles, esse ponto seja consequência das traições de Erik). De certa forma, o terrorismo de Magneto torna necessária a existência do professor e seus X-Men e permite que ao menos parte dos mutantes seja tolerada como um mal necessário – o que serve como uma semente para uma futura aceitação (pelo menos, essa é minha interpretação).

A amizade deles, o relacionamento de ambos como um todo é algo intenso e passional, quer você queira ou não aceitar que eles sejam um casal (embora, que diabos, em ao menos um dos universos alternativos o Charles larga a esposa e vai morar com Erik (porque, aparentemente, ele já passa vinte e quatro horas pendurado no telefone com Magneto mesmo, que diferença vai fazer continuar em casa? – e sim, essa é a desculpa do Charles para tal atitude).

Ísis: Oi?! Que arco é esse? oO

Lulu: Ultimates. Mas eu não me atrevo a ler, porque, aparentemente, o Erik também se revela um canibal nessa série? E o Charles não tem lá muitos escrúpulos? E eu achei a idéia muito bizarra...

Enfim, tanto é verdade que dos atores aos roteiristas a diretores, a história deles é tratada como ‘a love story’.

Essa é a opinião de Sir Ian McKellen, do James MacAvoy, de Simon Kinberg, que é roteirista e produtor da série e por aí vai...

Ísis: Não sabia dessa do MacAvoy. Adorei! <3 

Dani: Nem eu! Que legal!!

Ísis: Rapaz, se eles “tudin’” tão torcendo por isso e tão a fim de fazer, por que não?! XD

Vamos fazer um abaixo-assinado, Lu! Eu quero ver o MacAvoy e o Fassbender juntos! 

E... oops! Sinto que alguém está me tragando para esse lado de novo...

Dani: Acho que ninguém precisa “te tragar”, Ísis... ^^

Lulu: Hã... você não quer dizer ‘quero ver Charles e Erik juntos’? Quando você coloca os nomes dos atores no meio, parece que você está torcendo para que eles e não os personagens sejam um casal...

Dé: E precisa de incentivo? ¬¬

Tu se recusa a ler qualquer coisa que não tenha um casal gay no meio, Isis... E com sexo explícito entre o tal casal. =P

Ísis: Porque hétero já tá tão manjado que até as crianças veem nas novelas mesmo e não estão nem aí. Qual é a graça? oO

Dé: Se eu preciso explicar, tu não vai entender...

Lulu: Ok, não... essa é a hora de explicar o porquê do meu tema... Que é fruto de uma frustração e uma irritação minha e que tem tudo a ver com os casais de que falei.

A questão é a seguinte: se qualquer um dos casais que citei fossem de gêneros opostos, seria considerado cânone a idéia de que eles têm um relacionamento amoroso.

Ísis: Ah, já sei pra onde isso vai, e concordo PLENAMENTE. Lu pra presidente! o/

Dani: Mas isso aqui não é absolutismo...? O_o

Ísis: Ah, é, né? Lu pra falsa presidente! o/

Lulu: Eu não assisto Elementary porque não gostei muito do piloto, mas posso imaginar que tendo transformado John em Joan Watson, a série acaba se fixando na possibilidade de tensão sexual entre os dois.

Por outro lado, eu acompanhei a série Bones por um bom tempo e a Dra. Temperance é, em muitos aspectos, um Sherlock de saias. E nessa série eu sei que mesmo antes, muito antes de haver qualquer envolvimento entre ela e o Booth, todo mundo dava como certo que eles terminariam formando um casal.

Dani: Pois é, mas foi exatamente quando eles firmaram um casal mesmo que a série começou a perder público... Interessante como o programa parecia se sustentar exatamente nesse “vai-num-vai”...

Lulu: E aí nós temos a série britânica Sherlock que coloca os dois protagonistas como homens e conseguem ainda assim – de forma brilhante, diga-se de passagem – demonstrar a química entre os personagens. Eu posso partir do princípio de que Sherlock seja assexuado e John seja heterossexual, e ainda assim eu não consigo deixar de ver a dinâmica deles como a de um casal.

Não é a questão do sexo. É a questão da convivência.

Dani: Mas se bem que em Sherlock os dois são tão superhipermega britânicos que a química tinha de ser muito sutil mesmo...

Lulu: É o mesmo que acontece com Steve e Tony. Não é nenhuma fantasia particular minha ver o Capitão América e Homem de Ferro ‘se pegando’ (para usar a expressão com que o Dé começou a fazer graça). Porque você introduz essa idéia de que se Tony fosse mulher, eles seriam casados, mas já que Tony é homem, então eles são melhores amigos e ponto? Porque essa possibilidade só existe se um deles for de gênero oposto, especialmente quando você tem uma dinâmica que se apoia firmemente no relacionamento dos dois?

Ísis: Isso me deixa louca também. Não só com Stony, até porque não é algo que acompanhei sempre (e acompanho mais por fics), mas lembro de já ter tido essa sensação várias vezes em relação a outras histórias ou séries de TV ao longo dos anos.

Lulu: Deixando de lado questões de shipper, o meu cânone pessoal para eles é que o Tony é bissexual (faz muito sentido considerando a vida desregrada e o histórico com Tiberius Stone...) e passou metade da vida nutrindo uma paixão platônica pelo Steve. E isso é mais um dos inúmeros níveis na tragédia que é a vida pessoal do Tony.

Ísis: Não sei se porque fui “criada” pela Lu nesse círculo, mas tenho a mesma impressão (embora a parte do Tiberius não entre tanto nos meus cálculos... e eu acho que idolatria a um herói não é bem uma paixão platônica, mas dá para interpretar assim). Rapaz, nunca vi criatura para ter tanta tragédia pessoal... o que explica porque eu amo tanto Tony Stark! ^^’

Lulu: X-Men é um shipper que eu cheguei por último, mas é uma história – especialmente a dos filmes – que faz um sentido muito mais pungente para mim quando a interpreto à luz de um relacionamento – que provavelmente nunca chegou a ser consumado – entre Charles e Erik. E, mais uma vez, faça Charles ser Charlotte ou Erik ser uma Erika e ninguém, NINGUÉM vai questionar que eles sejam um casal, mesmo que não haja um único beijo, apenas mantendo as trocas de olhares que já existem entre eles na história.

Vocês conseguiram entender meu ponto?

Ísis: SIM!! \o/

Dani: Mais ou menos... Acho que nessa era de Fandoms sempre vai haver gente shippando todo mundo. Mulher ou homem.

Lulu: A questão não é forçar ver um casal onde não existe terreno para isso, nem dizer que seja impossível ver esses relacionamentos como grandes amizades. Por exemplo, Holmes e Watson, nos livros, para mim, são amigos do tipo irmãos de armas. Mesmo que eu possa enxergar o subtexto que algumas pessoas utilizam para argumentar que Conan Doyle queria que eles fossem um casal, a minha interpretação pessoal deles é de uma grande, fenomenal amizade. Eles se tornam um casal pra mim na série britânica – nada me tira da cabeça que Sherlock é sim, apaixonado pelo John.

A questão é que por convenções sociais e de gênero, a gente automaticamente vai considerar ‘cânone’ casais heterossexuais, descontando a possibilidade de que existam grandes amizades entre homens e mulheres; enquanto que fecharemos os olhos para qualquer tipo de subtexto que diga que a amizade entre dois personagens do mesmo gênero seja mais que isso.

E eu escrevi um tratado sobre o assunto...

Dani: Novidade?

Ísis: Bem, tem que ser dito em algum lugar, né? ^^’’

Mas, é, essa é só mais uma forma de opressão que precisamos derrubar! -_____- /

Não é que qualquer relação entre personagens vai torná-los um casal, mas existem casos e mais casos, ou argumentos e mais argumentos, em que as essa possibilidade só não é mais aberta por causa do gênero. Eu confesso que “shippo” muita coisa que não se encaixa nessa categoria (que “shippo” só porque acho bonitinho mesmo e ninguém tem nada com isso), mas tem uns que se enquadram, sim. É frustrante...

Dani: De qualquer forma, voto por um Vertigem então em que possamos Shippar a vontade, independente de fazer sentido ou não!!!! Aí sim que os leitores verão o pior da loucura desse Zoológico!!

Lulu: Prometo que ano que vem faremos um vertigem de casais crossover... Enquanto isso, fiquem com a lista desse mês...

Nove Casais Que Não São Casais

1. Sherlock Holmes e John Watson de várias mídias...
2. Steve Rogers e Tony Stark de Os Vingadores
3. Erik Lehnsherr e Charles Xavier de X-Men
4. Hikaru e Kaoru Hitachiin de Ouran Koukou HOST CLUB
5. Trowa Barton e Quatre Raberba Winner de Gundam Wing
6. Hyoga e Shun de Cavaleiros do Zodíaco
7. Legolas e Gimli de O Senhor dos Anéis
8. Aragorn e Éowyn de O Senhor dos Anéis
9. Bolin e Asami de A Lenda de Korra


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog