7 de junho de 2014

Gazeta de Longbourn Apresenta: Novelas Inacabadas

- De maneira alguma, meu caro senhor, de maneira alguma - exclamou o sr. Parker impaciente. - Pelo contrário, asseguro-lhe. É a ideia geral, mas um equívoco. Isso pode se aplicar aos lugares desenvolvidos, superpovoados como Brighton ou Worthing ou Eastbourne, mas não a um vilarejo como Sanditon, impedido por suas dimensões de sofrer quaisquer males da civilização; ao passo que o crescimento do lugar, as edificações, as sementeiras, a demanda por tudo e a segura existência das melhores companhias (dessas famílias regulares, sólidas e reservadas dotadas de nobreza e caráter que são uma bênção em qualquer parte) estimulam o trabalho dos pobres e difundem o conforto e o desenvolvimento de toda a sorte entre eles. Não, meu caro senhor, asseguro-lhe que Sanditon não é um lugar...

- Não quis dizer que não haja exceções em algum lugar em particular - respondeu o sr. Heywood -, só penso que a nossa costa está repleta deles. Mas não seria melhor levar o senhor...

- Nossa costa está repleta! - repetiu o sr. Parker. - Talvez nesse ponto não possamos de todo discordar. Pelo menos já há o bastante. Nossa costa já está muito explorada. Não precisa de mais. Atende ao gosto e às finanças de cada um. E essa boa gente que está tentando ampliar o número das estações balneárias, na minha opinião, insiste num exagero e em breve se verá vítima de seus próprios cálculos falaciosos. Um lugar como Sanditon, senhor, posso dizer que foi sonhado, foi exigido. A natureza selecionou-o, indicou-o em caracteres maiúsculos. A brisa mais pura e suave da costa, tida como tal, banhos excelentes, areia fina e firme, águas profundas a dez metros da praia, sem lama, sem ervas, sem pedras escorregadias. Nunca houve um lugar mais claramente projetado pela natureza para ser o balneário de enfermos, o verdadeiro lugar de que milhares de pessoas estavam à procura! À mais conveniente distância de Londres! Um quilômetro e meio mais perto do que Eastbourne. Imagine apenas, senhor, a vantagem de economizar toda essa distância numa longa viagem. Mas Brinshore, senhor, na qual acredito esteja pensando, as tentativas de dois ou três especuladores em Brinshore no ano passado de promover aquele mesquinho povoado, situado como está entre um charco estagnado, uma charneca árida e as constantes emanações de um brejo de algas putrefatas, não pode resultar em nada a não ser em decepção. E, em nome do bom senso, Brinshore poderia ser recomendável? Um ar muitíssimo insalubre, estradas sabidamente detestáveis, água suja sem igual, sendo impossível ter-se uma boa chávena de chá num raio de cinco quilômetros em redor. E, quanto ao solo, é tão gelado e infértil que nem consegue produzir um repolho que seja. Confie em mim, senhor, que esta é uma descrição a mais fiel de Brinshore, sem o mínimo grau de exagero, e se o senhor ouviu falar dela de modo diverso...
Trabalhos mais maduros de Jane Austen, os dois romances que foram publicados nessa edição - Sandition e Os Watsons são inéditos no Brasil. E eram inéditos para mim também, que os conhecia de nome, mas nunca os tinha tido em mãos.

Talvez seja um tanto estranho ir atrás de ler uma obra que não tem final, cujo desenvolvimento, de uma forma geral, está incompleto. Como uma leitora amante de tudo o que Austen escreveu, contudo, não poderia me furtar a esse comichão de conhecer tudo o que ela escreveu, independente de ela ter terminado ou não.

Os Watsons começa o volume. A bela, gentil e delicada Emma Watson retorna para casa depois de anos sob a guarda de uma tia rica – agora que esta se casou, não a quer mais e onde antes havia a expectativa de terminar como uma herdeira (numa seqüência parecida com a de Frank Churchill), agora ela é apenas mais uma irmã entre outras quatro de uma família pobre com um pai hipocondríaco.

A despeito disso, sua beleza consegue chamar a atenção de Lorde Osborne, o principal membro da sociedade local. E isso é mais ou menos tudo.

São apenas dois capítulos e confesso que eles me deixaram com a impressão de um dos romances góticos com que a própria Austen tanto brinca em A Abadia de Northanger. A irmã mais velha que serve de primeira anfitriã para Emma, Elisabeth, não me inspirou muita confiança e pelo que sabemos das outras duas irmãs; tampouco elas parecem particularmente boa companhia. Lorde Osborne é meio que uma nulidade, mas isso é o de menos – segundo se conta, os planos da escritora eram de juntar Emma com o pároco da propriedade dos Osborne e não com o próprio lorde.

Só que temos tão pouco de Mr. Howard, o pároco – que mal abre a boca e faz qualquer ação muito digna de nota – que não dá para prever exatamente como esse relacionamento vai acontecer.

Some-se a isso o fato de que no planejamento original, Mr. Watson morre e Emma fica à mercê do irmão mais velho e da cunhada, que têm uma boa renda, mas não são exatamente generosos.

Há muito, muito pouco para perceber como a coisa toda se desenvolveria, mas esses dois capítulos têm seus momentos. Tom Musgrove é um cafajeste cômico, Lorde Osborne é profundamente antissocial (de uma maneira bem mais esquisita que a de Mr. Darcy) e tenho a impressão de que entre esses dois personagens, muitas situações de ridículo para Austen escaramuçar poderiam se seguir.

Emma, por outro lado, me faz pensar muito em Anne, de Persuasão, com sua bondade e delicadeza inatas – especialmente na cena em que faz a alegria do pequeno Charles no baile que abre o livro.

Diz-se que Austen teria começado o livro em sua época morando em Bath, abandonando-o quando da morte do pai, uma vez que a situação de sua protagonista tornara-se dolorosamente parecida com a sua.

Sandition, por outro lado, teria sido a última obra em que ela trabalhou, tendo sido abandonada por causa da doença e subsequente morte da autora. É mais bem acabada que Os Watsons - além de ter mais capítulos (onze), a história parece mais polida, mais focada na verve de humor habitual de Austen. A protagonista do romance, Charlotte, parece-me mais simpática e humana que Emma, com uma aguçada percepção da sociedade ao seu redor e uma boa disposição para rir-se inclusive da própria situação.

Sandition é um balneário à beira mar que está começando a crescer como destino de férias graças aos investimentos de Mr. Parker e Lady Denham. Ainda há muito caminho até que o local se torne ‘da moda’ – que é a grande ambição dos dois – mas é um local agradável, com uma geografia privilegiada e Charlotte parece contente com sua visita ao local. De uma forma geral, contudo, o resort é mais um ideal do que realmente aquilo que desejam seus investidores.

O elenco de personagens vai do bonachão e prestativo Mr. Parker, aos seus irmãos absurdamente hipocondríacos (e esse parece ser um tema algo recorrente a partir de Emma), à inteligente e mesquinha Lady Denham e seu sobrinho um tanto maluco de ler romances, Sir Edward – que decidiu ter aptidão para ser vilão gótico e aspira a se tornar o infame Lovelace, de Clarissa.

A história tem um ritmo rápido e um foco interessante em questões de comunicação e propaganda – o resort tem por principal promoção o boca a boca, seja o pessoal, seja por cartas, há algumas confusões por conta desses diálogos epistolares. Infelizmente, o livro termina exatamente quando o herói da história, o irmão mais novo e enérgico dos Parker, Mr. Sidney, chega – e pelo que sabemos dele das cartas de Mr. Parker, tenho a impressão que ele e Charlotte se dariam muito bem.

As duas narrativas são interessantes – não apenas pela forma como podemos entrever o processo de escrita de Austen, mas também pelo potencial que ambas possuem. Outros autores, inclusive da própria família da autora, escreveram continuações e fiquei razoavelmente curiosa para encontrá-las.

Até lá, nos fica a tarefa de tentar imaginar por nós mesmos como elas avançariam – um exercício bastante agradável entre uma releitura e outra dos romances acabados de Austen...


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog