29 de abril de 2014

Clube do Livro (Abril): O Jogo do Exterminador

- Ora, eu sei. Mas vai chegar o dia em que você não estará junto dele, vai se distrair. E, de repente, vai se lembrar, e vai correr até ele, e ele estará perfeitamente bem. E da próxima vez, você não vai se preocupar tanto, não vai voltar tão depressa. E todas as vezes, ele estará bem. E vai pensar que eu esqueci. E os anos passarão. E então vai acontecer um terrível acidente e vamos encontrar o cadáver, e você vai chorar, e chorar, e vai se lembrar desta conversa, Val, mas vai ter vergonha de si mesma por lembrar, porque vai saber que eu terei mudado, que foi realmente um acidente, que foi cruel de você até ter lembrado do que eu disse numa briga de infância. Só que vai ser verdade. Vou me safar, e ele vai morrer, e você não vai fazer nada, nadinha.
O Duda já tinha me emprestado esse livro mesmo antes de ele ganhar nas indicações do clube do livro e eu o devorei no final do ano passado porque queria conhecer a história antes de assistir o filme.

A polêmica em torno da homofobia do autor também me chamou a atenção. Pelo que entendi do rolo todo, minha conclusão é Orson Scott Card é na verdade um completo maluco: ele já fez comentários sobre como o 11 de Setembro era algo necessário para dar uma justificativa para a caça aos islâmicos (?); comparou Obama com Hitler afirmando que o presidente vai começar algum tipo de guerra de gangues contra seus inimigos (??) e falou sobre como o casamento gay está solapando a idéia de democracia (???).

Para quem quiser entender (ou não entender) patavinas do que o Card diz (ou tenta desdizer), eu indico essa reportagem que termina de forma BRILHANTE indicando fanfics slash com os personagens do autor.

Em todo caso... Duda me emprestou o livro antes de eu saber de toda essa confusão, mas quando comecei a ler, já tinha ouvido falar do Card o suficiente para prosseguir com cautela. Ao final das contas, contudo, posso dizer que o fato de achar o cara um imbecil não afeta o desfrute da história.

O Jogo do Exterminador é, certamente, uma das melhores e mais vibrantes histórias de ficção científica que já li. E vou confessar que não sou comumente uma fã de ficção científica – minha preferência sempre foi pela fantasia.

A história se passa num futuro pós-invasão alien, com o mundo dominado por uma organização militar que serve de defesa contra a possibilidade de uma repetição do episódio. Ender, o protagonista do livro, é um garoto de seis anos que é basicamente um gênio tático militar e, pela forma como se fala dele na história, o messias encarnado.

Não falo no sentido religioso, mesmo porque a ideia de religião é considerada tabu no universo da história. Mas Ender basicamente nasceu das tentativas de encontrar um novo grande comandante que possa liderar as forças humanas contra os ‘abelhudos’ (e devo dizer que embora os aliens aqui pareçam bem ameaçadores, achei um pouco difícil levá-los a sério com esse nome...).

Para tanto, Ender vai para a Escola de Guerra onde aprenderá tudo o que é necessário para ser esse comandante, embora não entenda completamente o que está acontecendo e seja constante manipulado para desenvolver as habilidades de que tanto irá precisar no futuro – isso é, se ele for, de fato, aquilo que a Esquadra Internacional precisa.

O Jogo do Exterminador é, francamente, brutal, em sua forma de expor toda a questão. Eu passei boa parte do livro me questionando se a ameaça de uma nova invasão era real ou uma desculpa para manter o controle político; se os fins justificam os meios na forma como as crianças são usadas como armas, como são encorajadas a um nível de sociopatia assustador.

Ender, em particular, está constantemente se questionando, em pânico com a possibilidade de se tornar como o irmão mais velho, de não apenas sentir facilidade em matar, como de gostar, de sentir prazer na violência. Seu dilema moral, sua luta para manter sua independência, seus valores, para aprender, para se defender, até mesmo para alcançar os outros meninos, não apenas ganhando o respeito, mas também a amizade deles – tudo isso nos prende, do começo ao fim.

E aí quando chega ao fim... quando chega ao fim, eu confesso que fiquei de queixo caído, sem acreditar no que acabara de ser revelado.

É interessante que, lendo O Jogo do Exterminador, eu não encontrei nenhum das idéias peculiares que Card defende hoje em dia. Pelo contrário, Ender me passa a impressão de ser a favor da tolerância – de gênero (vide sua relação com a irmã, Valentine, e com Petra na escola), de religião (seus pais, Alai), de raça (de uma maneira mais extrema, não cor de pele, mas humanos contra alienígenas).

Por mais que não vá com a cara do Card, eu certamente indico o livro. A idéia toda é bastante original e o desenvolvimento dela é absolutamente fascinante.


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog