4 de fevereiro de 2014

Desafio Corujesco: O Corcunda de Notre Dame

Por outro lado, é preciso fazer-lhe essa justiça, a maldade talvez não fosse inata nele. Desde os seus primeiros passos entre os homens, ele havia sentido a si mesmo, depois havia visto a si mesmo sendo cuspido, criticado, rejeitado. A fala humana para ele era uma zombaria ou uma maldição. Ao crescer, só tinha descoberto ódio à sua volta. Ele o havia tomado para si. Ganhara a maldade geral. Tinha se apossado da arma com que o haviam ferido.
Na primeira rodada do meu desafio corujesco de tentar limpar minhas estantes e prateleiras de livros ainda não lidos e à espera, vou com um clássico. Há tempos que estava querendo ler O Corcunda de Notre Dame - especialmente depois que visitei a casa do mestre Victor Hugo e descobri que a história original não tem nada a ver com a do filme da Disney.

Mesmo antes disso, eu babava na capa verde acima, da coleção Eternamente Clássicos, da Leya... Aí, finalmente, depois de muitas idas e vindas, antes de colocá-lo no meu carrinho de feira de livros, consegui-o, exatamente nessa edição, através de uma troca pelo Skoob.

Depois disso a Zahar lançou uma edição com uma capa ainda mais linda e eu fiquei babando nela também, mas... não vamos nos precipitar... O caso é que, de todos os livros da minha estante, esse em específico é decididamente um que fui atrás pela capa.

O corcunda do título é Quasímodo – que é também surdo e coxo – e foi criado escondido por entre as sombras da catedral de Notre-Dame pelo arquidiácono Claude Frollo, depois de abandonado pelos pais por causa de suas deformidades físicas. Ele começa a história retratado como um monstro controlado por Frollo, mas aos poucos seu personagem se revela mais complexo e trágico.

Os acontecimentos da história se precipitam quando Frollo, dividido entre seus votos e o desejo que sente por Esmeralda, uma cigana que dança à frente da catedral, ordena que Quasímodo rapte a moça. Esmeralda é salva pelo capitão da guarda, o belo e bravo Phoebus, que para além de tudo, já é comprometido.

Isso não impede Phoebus de encantar-se também com a bela cigana... o que não agrada Frollo que, obcecado pela moça, cometerá uma série de crimes no melhor estilo “se ela não será minha não será de mais ninguém”. E a partir daí, claro, sucede-se uma série de tragédias, crimes, mortes, traições, fogueiras e outras inquisições.

Primeira importante observação a se fazer: a única coisa que o original tem a ver com o filme da Disney (que até então fora meu único contato com a história) são os nomes dos personagens. De resto, o livro é muito mais sombrio, muito mais pesado; em suas coincidências e tristes profecias, é muito próximo de uma tragédia grega, no melhor estilo de Sófocles.

E é curioso também observar que o personagem mais fisicamente caricato é o que mais desperta compaixão. Frollo é um vilão que transfere sua obsessão pelas ciências para a figura de Esmeralda; Esmeralda é uma tola ingênua cheia de muxoxos e Phoebus é um cafajeste. Eu revirei os olhos para a paixão adolescente de Frollo, para a futilidade de Esmeralda e para a cara de pau do Phoebus, mas Quasímodo...

A cena em que ele é açoitado na praça, ridicularizado por todos; sua devoção aos sinos, seu amor por Notre Dame; sua admiração por Esmeralda que surge não da beleza da cigana, mas a partir de um único gesto de bondade... em todos esses momentos eu fiquei de olhos úmidos e coração pequenininho, angustiada pela forma como o restante da humanidade se desumanizava frente à deformidade do corcunda.

A história de O Corcunda de Notre Dame é universalmente conhecida – se não em todas as suas minúcias, ao menos em suas linhas mais gerais. O livro, em si, por sua vez, guarda muitas outras delícias além da história: as descrições de Paris, os breves capítulos filosóficos e as cores vibrantes e voluptuosas do Pátio dos Milagres (que é uma das imagens mais fantásticas que já encontrei em livros) me prenderam alegremente.

Claro que esse é um detalhe que nem todo mundo vai gostar: um leitor menos atento perderá o ritmo da história nesses interlúdios. Mas, ao menos para mim, essa foi uma história que gostei de conhecer, de descobrir por trás das versões cor-de-rosa e encantadas da Disney.

Bônus: Uma vez que o tema desse mês é um livro que escolhi pela capa, é justo apresentar a capa que tanto me encantou, não é verdade ? E bônus do bônus: ainda tem para completar o quadro o busto de Victor Hugo que eu trouxe de uma lojinha lá perto da Place des Voges, onde morava o autor...



A Coruja


____________________________________

 

7 comentários:

  1. Li há muitos anos e na minha lembrança só estava a diferença com a história da Disney, e acho que a versão nem era integral. Acho que eram os clássicos para jovens da Ediouro. Lembro que o livro me deixou triste. Só isso ficou e agora, lendo teu post me deu vontade de reler, de levar pra escola, sugerir o debate com os estudantes.
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho muito válido. Essa edição que li é interessante porque embora ela seja integral, há alguns ajustes linguísticos para tornar a história mais compreensível a ouvidos modernos. Nada herético, mas algumas construções frasais um pouco menos rebuscadas. É uma boa apresentação ao autor para os leitores mais jovens.

      Excluir
  2. Tb li uma versão que, só depois, descobri que não era integral (aliás, descobr que boa parte dos livros que li na infância não eram integrais... >.>), mas lembro claramente de ter me comovido co a história tb. Confesso que não lembro da cena do Court of Miracles (possivelmente nem existisse na versão que li).

    Mas eu lembro de não ter visto taaaaaantaaaaa diferença assim com a da Disney, que é sim uma versão mais light. Tem várias diferenças, não são taaaaaaaaaantaaaaaaas... só várias. XP
    (Go figure... XP)

    Mas tb dsd qdo a Disney segue o roteiro original? ^.~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ísis, a principal diferença é que a história da Disney tem final feliz. O original de Victor Hugo é bem mais trágico, e os personagens são... complicados. Frollo mexe com alquimia; Phoebus é noivo de outra mulher e um verdadeiro babaca; Esmeralda é um bocado tola e se fixa demais nas aparências...

      Excluir
  3. Então Lulu, eu estou seguindo o seu Desafio :-)
    Em janeiro eu li "O segredo do anel" como livro escolhido pela capa, bem longe de ser um clássico como o "Corcunda de Notre Dame", mas gostei muito!
    Aqui o link da minha resenha:
    http://leiturasdelaura.blogspot.com.br/2014/02/o-segredo-do-anel.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. janeiro não!!! desculpe rsrsrsrs fevereiro!

      Excluir
    2. Oba, oba! Vamos lá, vou ir ler sua resenha agora ;)

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog