14 de novembro de 2013

Para ler: Segredos do Romance Policial

O romance policial é um gênero literário que se difundiu universalmente. Ele teve, entretanto, uma origem: surgiu pela pena do norte-americano Edgar Allan Poe (1809-49) e foi consolidado pelo escocês Arthur Conan Doyle (1859-930).

Na primeira metade do século 20, as histórias de crime e mistério encontraram na língua inglesa os seus principais criadores: das britânicas Agatha Christie e Dorothy L. Sayers, verdadeiras sacerdotisas do gênero, aos americanos Dashiell Hammett e Raymond Chandler, que revolucionaram a escrita de livros policiais.

É essa história que P. D. James conta em "Segredos do Romance Policial". A autora percorre mais de cem anos de existência dos livros de detetive, descreve as mudanças por que passaram ao longo do tempo e apresenta os autores essenciais do gênero em língua inglesa.
Li esse volume quando estava me preparando para escrever o conto de junho do Quem Conta um Conto e acabei saindo da história com mais uma pilha de livros e autores – alguns bastante obscuros – que queria ler.

Esse é o grande problema de devorar livros sobre livros ou crítica literária: você sempre termina com sua lista maior do que quando começou.

Já li da P.D. James o Morte em Pemberley, que foi inclusive lançado aqui no Brasil. Achei o estilo dela interessante, mas fiquei um pouco desapontada com o livro – e descobri o porquê afinal com Segredos do Romance Policial: é difícil escrever esse tipo de história numa época em que não existia uma força policial ou um sistema criminal bastante definido e se ela se mantém admiravelmente fiel à figura do Darcy de Austen, a verdade é que Darcy não foi talhado para ser um detetive.

Deixando de lado impressões sobre outros livros, gostei muito deste específico volume. A James é direta e concisa, dando nesse livro um histórico que, se breve, não é, nem de longe, superficial.

Ela faz uma boa análise de narrativa e contexto histórico e social, com especial ênfase para os autores britânicos e americanos, que representam diferentes escolas do romance policial – além de ter um capítulo inteiro dedicado às Damas do Crime.

É um volume curto, daqueles que você lê numa sentada, mas é também uma boa obra de referência para quem gosta do estilo. Para quem é fã de um bom romance policial e gosta de ir para além da narrativa e compreender um pouco mais da obra e do autor, eu definitivamente recomendo esse livro como um ponto de partida.


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Dei de cara com esse livro dia desses e pensei em comprá-lo para o Projeto do ano que vem. Daí resolvi pesquisar mais sobre ele e não foi minha surpresa encontrar a tua resenha dele por aqui. Mas a surpresa maior foi vir comentar e ver que o único comentário é o MEU! LU! Preciso de memória descente pra ontem! Sério mesmo. :/

    Enfim, tô namorando-o para o ano que vem... indicas mais algum?

    ;)

    ResponderExcluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog