22 de outubro de 2013

Clube do Livro (Booktour): Ficção de Polpa - Crime

Um assassinato. Um roubo. Uma suspeita levantada. Onde há um crime, há alguem tentando resolvê-lo – e outro desejando que nada seja descoberto. Em páginas intensas de emoção, suspense e aventura, Ficção de Polpa resgata o prazer das histórias de crime e mistério.
Esse título foi indicado para o Booktour do Clube do Livro e depois de ter lido o primeiro volume no ano passado, estávamos todos bastante empolgados para começar esse aqui.

Então, a primeira coisa que tenho a dizer é que Ficção de Polpa – Crime não foi tão legal e surreal quanto o primeiro volume que a turma do clube encheu de post-its com comentários sem noção para as narrativas igualmente sem noção do livro. O que não significa que ele tenha sido ruim – muito pelo contrário, eu me diverti bastante com o livro.

São sete contos bem curtinhos, com autores brasileiros e portugueses, além de uma faixa bônus com Ernest Bramah, que eu não conhecia, mas foi um contemporâneo mais famoso de Conan Doyle que acabou sendo esquecido ao virar de páginas dos folhetins...

Começa o volume muito bem com As Muralhas Verdes, de Carlos Orsi, que trata de um assassinato num programa de reality show. A história foi, para mim, surpreendente do começo ao final, primeiro porque a idéia de um crime ocorrer num espaço que é constantemente vigiado por câmeras representa um desafio e segundo porque o autor conseguiu trabalhar isso de forma que houvesse pistas que não fossem óbvias, e que o suspense funcionasse muito bem.

O segundo conto, A Conspiração dos Relógios, talvez fosse um dos meus favoritos se o mistério que o detetive investiga não fosse um tanto morno. Mas o fato é que a idéia de um detetive esquizofrênico que tem como sidekick um coelho azul gigante chamado Tobias é genial e eu bem que gostaria de ler uma história com um pouco mais de desenvolvimento desses personagens.

A Aventura do Americano Audaz, divertiu-me bastante com suas referências cruzadas. Primeiro, porque soube utilizar muito bem a figura de Sherlock Holmes, segundo porque respeitou a inteligência do bom doutor Watson (e cá entre nós, adorei a alfinetada que Watson dá durante a narrativa sobre os leitores que o subestimam) e terceiro, porque o mash-up que ele faz com Drácula foi muito bem bolado. Eu gostaria que o final tivesse sido um pouco mais trabalhado também, mas de toda forma, o conto conseguiu me agradar bastante.

A história seguinte me deixou confusa, com calafrios e uma certa náusea – e acho que essa era justamente a intenção do autor. A forma como os pontos de vista dos personagens de A Carne é Fraca se sucedem ao longo da narrativa fazem crescer a expectativa de uma determinada situação, que ao chegar ao final passa por uma total virada. A escolha do ambiente em que a história se passa – um açougue – reforça essa confusão e o medo que o conto provoca. Como história curta, funciona bem demais, se basta em si mesma.

O último conto original do volume é Um dos Nossos, e é, na minha opinião, o melhor dos contos apresentados. O autor soube utilizar muito bem o plano da cidade de Porto Alegre, soube dar o clima certo. É uma história que está firmemente ligada à realidade brasileira, inclusive na questão da corrupção policial.

O volume todo funciona bem ao que se propõe, alguns melhores do que outros e certamente me deixou com água na boca para ver os outros títulos da série. Uma feliz homenagem ao gênero dos pulp fiction, sem dúvida alguma.


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog