5 de setembro de 2013

Para ler: The Books They Gave Me

These stories are, by turns, romantic, cynical, funny, dark, and hopeful. There’s the poorly thought out gift of Lolita from a thirty-year-old man to a teenage girl. There’s the couple who tried to read Ulysses together over the course of their long-distance relationship and never finished it. There’s the girl whose school library wouldn’t allow her to check out Fahrenheit 451, but who received it at Christmas with the note, “Little Sister: Read everything you can. Subvert Authority! Love always, your big brother.” These are stories of people falling in love, regretting mistakes, and finding hope. Together they constitute a love letter to the book as physical object and inspiration
Descobri esse livro em uma de minhas inúmeras visitas à Cultura – fui buscar um presente que ia dar para outra pessoa e enquanto procuravam minha encomenda para entrega, eu vasculhava com os olhos a estante mais próxima do atendimento ao consumidor, que era a de crítica literária.

A princípio, minha atenção ficou presa à fileira de Eco que havia por lá – mas todas eram obras que eu já possuía em minha estante e meus olhos começaram a passear nos títulos seguintes até que bateram em The Books They Gave Me.

Achei o título interessante, e a apresentação do livro, com sua capa dura texturizada e um dos meus tons de azul favoritos terminou de me hipnotizar a estender o braço e tirá-lo de sua prateleira.

Comecei a folhear. Entregaram minha encomenda. Continuei folheando. Saí andando a esmo por dentro da livraria. Mais folhear. Fui tropeçar junto ao café que tem dentro da Cultura. Um capuccino e uma torta depois, já quase passei da metade, minha lista mental de livros que quero ler subiu em uns vinte títulos e a coletânea de Jen Adams era um deles.

A premissa de The Books They Gave Me é muito simples: são histórias reais coletadas no tumblr de mesmo título em que pessoas contam como ganharam alguns livros.

Só que não se trata apenas de dizer “ah, fulano me deu livro tal e eu gostei muito”. Não, cada uma das histórias selecionadas para a coletânea deixam entrever a importância que dividir o gosto pela leitura pode ter – especialmente em relações pessoais. Pais e filhos que passam a vida se estranhando e que através de um livro são capazes de encontrar um meio termo para se comunicarem. Amantes que através da divisão das estantes descobriam como partilhar o resto de suas vidas. Irmãos mais velhos empurrando seus caçulas na direção certa.

Ao dar um livro de presente muitas vezes você está dando também um pouco de si mesmo. Você mostra o quanto conhece aquela pessoa, ou o cuidado que tem para com ela. E, ainda que mais tarde haja uma separação, muitas vezes ficam os livros como lembranças daquele relacionamento.

Não à toa que no mais das vezes começo uma resenha falando de como aquele livro de que estou falando me chegou às mãos: muitas vezes, é minha forma de prestar tributo aos amigos francamente maravilhosos que volta e meia me indicam alguma coisa e acertam em cheio (ou não), mostrando o quando me conhecem.

Recomendo a leitura - The Books They Gave Me é um volume leve, muitas vezes divertido, outras emocionante e fácil de o leitor se reconhecer dentro de suas páginas. Vale a dica de acompanhar também o site original em que as pessoas partilham suas histórias.


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog