11 de julho de 2013

180º - Arcade Games

Shouryuuken! Não entendeu? Hadouken pra você!
Duvido que alguém não saiba pelo menos a que diabos isso se refere. E esse é o tema da vez.

Não, não é luta de rua, nem de um jogo específico, mas sobre o lugar onde se jogam essas maravilhas tecnológicas... E também não é em casa...

Estou me referindo a ARCADE GAMES, nos Game Centers, popularmente conhecidos como GaCen !

* Um pequeno parêntese: os japoneses fazem acrônimos de quase tudo, e eu não tô exagerando... Bem, talvez um pouco, mas não é exagero dizer que eles fazem MUITOS acrônimos. Quer ver um lindo exemplo que peguei essa semana? 廃棄物の処理及び清掃に関する法律 vira 廃掃法. Tradução: lei do lixo. ^^’’ Aliás, as leis do Japão (pelo menos as que eu estou estudando) têm uns nomes enormes... ¬_¬

Bem, voltando ao que interessa (como é que eu fui falar de Direito japonês mesmo?)...
De certo ponto, os Game Centers daqui são como os brasileiros. Uma área onde têm um bocado de máquinas em que você ou pega coisas, ou atira, ou aperta um monte de botões pra derrotar seu adversário num combate de lutas marciais virtual. Mas as semelhanças terminam aí.

Vou começar pela localização. No Brasil, a maioria dos Game Centers estão em shopping centers, creio eu que pela questão da segurança... e também pra atrair o público jovem (inclua crianças nesse conceito) que costuma ir a tais lugares. No Japão, é mais comum elas estarem desassociadas dos shoppings, funcionando como um empreendimento independente. Não quer dizer que não existam nos shoppings, mas não com a mesma frequência que ocorre no Brasil. Ainda assim, quando existem, são geralmente direcionados a crianças, ou seja, você praticamente só encontra máquinas de pegar coisas (doces, PRINGLES, bonequinhos, bichos de pelúcia etc) ou que tenham jogos arcade pra crianças. Quase nunca têm, por exemplo, o DDR (Dance Dance Revolution).


E, no Japão, NÃO EXISTEM as máquinas de PUMP IT UP (li na internet que há uma exceção em Tokyo, mas isso eu ainda não vi! >.<), só porque são COREANAS!!! E o DDR é japonês/americana. Como se não estivesse CHEIO de coreanos aqui... ¬¬


Sim, vou reclamar disso, porque sinto MUITA falta de dançar PUMP... aquilo era MEU vício (saudável... e caro). Deve ser por isso que engordei 10kgs... (brincadeira)
Mas não duvido que eu tenha estacionado no meu peso atual porque não estou podendo mais dançar...

Enfim, voltando. Alguém aí sabe o que é garage kits? Não, não é uma caixa de ferramentas. Já viram, na internet ou onde for, uns bonequinhos de animes que são PERFEITOS? Do tipo que você jura que o personagem saiu da sua tela? Então, esses são garage kits, e aqui eles são chamados de figures, e existem pra todo gosto, inclusive pra maiores de idade.

Por que estou falando disso? Porque aquelas máquinas de pegar coisas que às quais me referi, que têm os game centers, são boa parte de pegar essas figures. Fica a dica que esses bonecos em geral não custam, no mercado, menos de ¥1.000,00 (uns BRL$20,00), alguns custando mais de ¥20.000,00 (BRL$410,00)! Nessas máquinas (chamadas de catchers) você pode consegui-los só por cem ienes mesmo...

 

(e, vai por mim, existem versões mais adultas ainda...)

Mas não é são bonequinhos que tem nelas, não. Como já disse, tem superpacotes de doces também, ou blusas, pôsteres, ferro de passar, panelas etc. Sério, eu tenho uma suihanki aqui pra provar isso.

Bom, passando da fase de pegar coisas, temos a fase de fotografar coisas. Muitos fãs de animes e mangás já pelo menos ouviram falar em purikura (outro acrônimo). São aquelas fotinhas pequenas que eles colam nas coisas. Todo game center tem pelo menos 2 máquinas de purikura. Você entra, bate umas 4-7 fotos, depois vai pro editor ao lado e edita as fotos por uns 5-10minutos, podendo nelas desenhar, escrever, colocar itens, molduras virtuais, estrelas, caveiras, corações etc, até que sua foto esteja tão cheia de coisas que você não se vê mais nela. Aí imprime em papel adesivo. Depois disso você corta e cola onde quiser. Óbvio, isso não é tão divertido sozinho, mas é a maior onda entre amigos (inclusive garotos) desde sei lá quando (acho que desde os anos 90, mas não me responsabilizo por essa informação, é um mero chute). Eu já bati pelo menos 14 vezes (não tô brincando, acabo de ir contar). Não usei nenhuma, colecionei todas... HUAHUAHUAHUAHUA! E amanhã já marcamos de bater mais outra.


Essas máquinas de fotos também existem nos shoppings.

Mas agora vamos falar dos game centers independentes, que costumam ser maiores, inclusive, apesar do espaço limitado existente no Japão. Pra começo de conversa, quando se entra num desses, não se escuta mais nada. Praticamente toda máquina ali tem música própria, e um terço dos jogos são de música.

Começo com as de dançar, que podem ser tanto a DDR (aquelas de pisar nas setas, e, nesse caso – do DDR – são setas na vertical e horizontal ), como as de dançar mesmo, do tipo que a máquina tem sensores de movimento (quem já jogou no Xbox 360 com o dispositivo kinect sabe exatamente como é). Obviamente, essas têm música, e altas.

Aí vêm as do tipo Guitar Hero, que pode ser guitarra, baixo ou bateria. Mesmo estilo que o DDR: vão aparecendo notas de cores diferentes e de durações variadas. Você tem que tocá-las na hora exata pra marcar ponto, só que em vez de pisar (DDR), você usa os dedos.

Em seguida, os jogos tipo DJ. Mesmo estilo do DDR ou de instrumentos, mas acrescenta um disco que você tem que rodar e o dobro de teclas a apertar.


E mais vários outros jogos que envolvem apertar teclas ou botões ao batido das músicas. Tem um de Taiko (tambor japonês) que é a maior graça. Nesse você toca o tambor mesmo, e pode ser jogado, como a maioria dos de música, por dois jogadores.


Em qualquer um desses, não é nada difícil você encontrar um monstro jogando. Aquele pessoal que é tão viciado que vai no level 27540937595 como se fosse nível 1 e ainda reclama que não tem desafio... Eles mexem os dedos (ou pernas) tão rápido que às vezes parece que você está cego, ou vendo demais... ou imaginando coisas. Mesmo.

Mais um terço das máquinas são os conhecidos jogos de luta e de tiros. Da primeira categoria Street Fighter, Tekken, King of Fighters estão entre os clássicos, mas existem inúmeros outros, inclusive de animes, como Dragonball e Pokemon. Da segunda, House of the Dead e Time Crisis existem no Brasil, mas existem também de piratas, dinossauros, bichos feios etc.

Agora imagina esses jogos de coisas assustadoras vindo pra cima de você... EM 3D! Sim, alguns game centers têm jogos em 3D (normalmente os de atirar), ou mesmo 4D! Haja coração pra aguentar aqueles sustos “ao vivo”!

Numa nota mais light, temos os de corrida. Inclusive Mario Kart, da Nintendo! ^^

No Brasil, eu já vi uns de motos, mas aqui só vejo de karts mesmo... Pelo menos até agora...

Chegamos à parte que eu acho mais bizarra. Os jogos de aposta, normalmente do tipo pachinko (mas talvez porque eu moro em Nagoya, que aparentemente é o berço do pachinko). Normalmente há fileiras deles, e tem de vários temas, inclusive de Pokemon. Aqui entram também as corridas de cavalo (virtuais... um telão enorme com várias cadeiras incrementadas, pra você sentar e apostar num cavalo virtual). Dependendo onde você for, tem um andar só pra esse tipo de jogos (pachinko, e outros jogos de apostas). Pior é que não posso nem explicar como jogar, porque até hoje não entendi. Eu só vejo um monte de moedas e botões... >.<

Por fim, e eu deixei esta parte por último porque só os grandes game centers têm, os simuladores. Eu só entrei em um tipo, e valeu todos os 300 ienes (preço mais caro que já vi pra uma rodada em um arcade game): GUNDAM!


Se você é fã de anime e nunca ouviu falar da franquia Gundam, tem algo errado com a sua base de conhecimento otaku. Basicamente, é sobre pilotar robôs gigantes no espaço (ou em algum planeta, inclusive na Terra). O cockpit (Não pensem maldades!!! Não tem nada a ver!), que é a cabine do piloto do Gundam, é como a cabine de piloto de avião: cheia de botões e telas enormes que lhe dão vídeos do que ocorre fora do seu robô (em frente e um pouco nas laterais). No simulador, a salinha em que você entra é uma réplica de um cockpit, e o vídeo reflete os seus comandos como se você estivesse realmente pilotando o Gundam. Dá pra jogar até de quatro (OLHA A MALDADE!!!! Não foi nesse sentido que eu disse!), e é super divertido. Existem outros simuladores, mas até agora eu só entrei no do Gundam.


Bem, por enquanto, acho que já chega de brincadeira, né? Vamos estudar? XP


A Elefanta


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog