30 de maio de 2013

Livros para Assistir: Coraline


Os Jones estão escrevendo um novo livro sobre jardinagem e, em busca de tranquilidade, mudam-se para Pink Palace Apartments, uma antiga mansão que foi dividida em vários apartamentos. A filha do casal, Coraline, é uma garota enérgica, curiosa e negligenciada pelos pais... uma combinação que a leva a explorar tudo o que pode da nova casa. Após encontrar um antigo poço abandonado e visitar todos os vizinhos, Coraline acaba esbarrando em uma pequena porta, trancada. Claro que ela vai pertubar a mãe para que esta destranque a porta, apenas para descobrir que emparedaram a tal porta... ao menos até ela se tornar um túnel para Outro Mundo...

A história, escrita por Neil Gaiman, começa parecendo um típico conto de fadas: a mocinha descontente com sua atual situação acaba indo para outro lugar, aonde sua vida muda completamente. O problema é que Coraline não é um conto de fadas. É uma história de terror (Se bem que a primeira não elimina a segunda...). As idas de Coraline até o Outro Mundo vão, progressivamente, tornando-se mais e mais sombrias, até que fica claro que existia um bom motivo para aquela porta estar trancada.



O filme, lançado em 2009, foi um marco na animação moderna. Feito completamente em um FANTÁSTICO stop-motion, um método de animação que sempre me agradou bastante, o filme recebeu várias críticas positivas, além de várias indicações a premiações diversas (e cá entre nós... ele não ter levado nenhuma fala mais dos critérios da Academia do que sobre o filme...). A fotografia do filme é ótima, combinando bem com o clima sombrio da história toda. E, novamente, tem horas que o mundo real parece ser MAIS sombrio do que o Outro Mundo... Que por sinal, outro mérito da animação foi o 3D. Ainda não tive a chance de ver em 3D, mas ele foi usado com bastante parcimônia no mundo real, mas extensivamente no Outro Mundo, como maneira de mostrar que ele é "especial". E o detalhe de que tudo, eu repito TUDO no filme é stop-motion. Nada de CGI.



Algumas pequenas mudanças foram feitas na história, tais como a adição de um novo personagem e a adição de mais coisas na história dos pais de Coraline. Curiosamente para casos como esse, o próprio Gaiman que pediu que estas mudanças fossem feitas! Ele sentiu que as mudanças eram necessárias, devido a mudança de mídia, e até declarou que se "alguém quer algo igual ao livro, deveria ler o livro."

Não sei vocês, mas tenho arrepios só de pensar nos botões...

Espero que tenham gostado, e até o mês que vem, com mais Livros para Assistir!

O Bode


____________________________________

 

6 comentários:

  1. Eu ADORO essa animação, essa semana postei o marcador que fiz pra mim e fiz com as imagens baseadas nela, não li o livro, eu tenho a graphic novel e gosto mais das imagens da animação, acho mais sombrias e engraçadas, as expressões da Coraline são ótimas, também gosto do amigo que não existe no livro.

    ResponderExcluir
  2. Eu, particularmente, gosto de ambos, o livro e o filme. Mas admito que o livro é bem mais assustador... Tive pesadelos com aquele pai dela feito de... massinha, ou, sei lá o que era aquilo.

    O livro é bem mais sombrio, mas o filme também é fantástico com seus toques artísticos e cômicos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, filhinha! O livro me deu arrepios também. =P

      Excluir
  3. Acho que o livro fica mais sombrio por causa das ilustrações do McKean. Eu não o li, mas vi os desenhos. E McKean sempre arrasa. O filme apesar de ter um clima sombrio, os bonecos ainda tem traços mais delicados.
    Eu adoro stop-motion também. E adoro o Henry Selick por ele ter dirigido o maravilhoso The nightmare before Christmas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. The Nightmare before Christmas é obrigatório, Debora! =D

      O interessante é que o Neil Gaiman fez questão do nome do Selick no filme, e não apenas "do diretor de...". Isso tudo pra evitar a ligação ao Tim Burton, que só foi o produtor do Nightmare. =P

      Excluir
    2. Não vi as ilustrações do livro, mas as da graphic novel são tão meiguinhas que acho que por isso gostei mais da animação.

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog