25 de abril de 2013

Livros para Assistir: 300

"Madness? THIS IS SPARTA!"

O império persa avança por todo o mundo conhecido, dominando tudo que alcançam por vontade do deus-rei Xerxes. Avançando inexoravelmente com seu exército de centenas de milhares, Xerxes volta seus olhos para a Grécia... incluindo Esparta. E isso dá tão certo para os persas quanto se pode esperar.


A graphic novel escrita por Frank Miller reconta a famosa Batalha das Termópilas, aonde o exército persa foi atrasado, humilhado e enfraquecido por um pequeno exército grego, liderado por 300 espartanos sob comando direto do rei Leônidas. Isso foi o estopim para a derrota dos persas pelas forças gregas, unificadas após esta resistência  inicial. Frank Miller escreveu esta história baseada em um filme que ele havia visto quando criança, Os 300 de Esparta, que foi baseada nos relatos de Heródoto sobre a batalha. Claro que, no final, o filme não era tão bom quanto ele lembrava, e isso o inspirou a escrever a história como ELE lembrava. Obrigado, Frank Miller, por não deixar algo tão pequeno como os fatos reais ficarem no caminho de uma boa história!


A adaptação para os cinemas, dirigida por Zack Snyder, foi bastante fiel aos quadrinhos, exceto por alguns detalhes. O primeiro detalhe importante é o vestuário dos espartanos: nos quadrinhos, os personagens usam capas, escudos, elmos, braçadeiras e grevas... e só. Aparentemente, lutar nu faz parte das técnicas de intimidação espartana ou coisa parecida. E não tenho certeza se Gerard Butler iria topar fazer o filme inteiro pelado, pelado, nu com a mão no bolso.

O segundo detalhe importante foi a expansão do papel da rainha Cersei... quero dizer, rainha Gorgo. Todas as sequências dela interagindo com o senado foram criadas para o filme, mostrando como os eventos se desenrolavam na capital enquanto o rei luta. A corrupção dos éforos (que é dos quadrinhos) espalhou-se até o senado (que é do filme), que mantêm os esforços para que o exército espartano não vá para a guerra, a todo custo. A rainha é muito bem caracterizada, como uma mulher forte , lutando à sua maneira e com as armas que tem disponíveis.


Por sinal, o relacionamento entre Leônidas e Gorgo é um dos meus pontos favoritos da história: eles realmente se amam, e isso fica bem claro em suas interações. Quando em público, muito do que "conversam" fica apenas subentendido, enquanto que entre quatro paredes, as limitações se esvaem. A cena em que ele pede a aprovação dela antes de matar o emissário persa retrata isso magistralmente.


O visual do filme é impressionante especialmente por ser quase completamente digital: com exceção de uma única cena (que não sei qual é, nem perguntem) o filme TODO foi rodado em chroma-key, resultando em um visual extremamente similar aos quadrinhos. Somando o fato que Zack Snyder fez questão de filmar cada quadrinho da graphic novel o mais fielmente possível, os dois trabalhos são extremamente similares. A trilha sonora também é uma obra de arte à parte, complementando muito bem as cenas.

No geral, um filme excelente, baseado em uma graphic novel excelente!

Espero que tenham gostado, e até o mês que vem, com mais Livros para Assistir!

O Bode


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog