6 de abril de 2013

Gazeta de Longbourn: Jane Austen Made Me Do It

É uma verdade universalmente conhecida que se não fosse por vampiros, lobisomens, zumbis e Jane Austen, eu não estaria nesse momento do lado de fora do gabinete do Diretor Oakes, enquanto ele, minha mãe, meu pai e a Senhora Pilkington, a conselheira, discutem meu Problema.

Eles deixaram a porta entreaberta, pensando que eu ouviria o que estava acontecendo, perceberia que estava encrencado e faria um acordo, tal como uma semana de detenção em vez de terminar suspenso. Mas até que eles consigam DNA, a Quinta Emenda é o melhor amigo de um garoto de quatorze anos.
Estava bastante ansiosa para falar desse livro, uma vez que me diverti imensamente lendo-o. Os contos que compõem essa antologia são quase todos de autores que eu já conhecia e cujo contato tinha sido bastante satisfatório – estão lá Amanda Grange, Stephanie Barron, Pamela Aidan e inúmeros outros.

As histórias vão de um extremo a outro num piscar de olhos. Há vários fantasmas, algumas tantas ‘cenas deletadas’, peças do período regencial e romances modernos: num momento você está nos anos 60 interpretando Razão e Sensibilidade a luz dos Beatles; em outro você acompanha Austen contando as sobrinhas sobre os gatos de Mansfield Park; Capitão Wentworth explica como serviu, sem perceber, de cupido entre sua irmã e o então capitão Croft e Darcy vai ao tribunal reclamar de uma camisa molhada.

Há recriações históricas de batalhas navais envolvendo irmãos da escritora, cartas e pequenos empurrões na direção certa; encontros e desencontros.

Dois contos, pelo menos, se tornaram favoritos: o de um adolescente encontrando seu espaço na ‘cadeia alimentar’ da sociedade graças a uma ligação com os livros da Austen (e por causa deles, enfrentando o ‘status quo’) e o de um jovem residente que após receber pelo correio uma página solta de um romance, repensa seu ressentimento em relação a uma antiga namorada. O primeiro, eu torço para que se torne um livro próprio conforme prometido pelas autoras, porque a história tinha um belo potencial e podia muito bem ser expandida.

A maior parte dos contos é excelente e trata de muitos aspectos do que ‘ser fã’ de Austen representa. Mesmo as histórias mais fracas são satisfatórias em seu objetivo de entreter o leitor austeniano.

Altamente recomendado.


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog