28 de março de 2013

Livros para Assistir: História sem Fim


Bastian Balthasar Bux é o perdedor da escola. Somos apresentados a ele quando o jogam em uma lixeira e dizem "Fique aí". Ele não fica, óbvio, acaba sendo perseguido por bullies e se esconde na livraria do Sr. Coreander, de onde leva um livro pra lá de especial...


Escondido na escola, Bastian começa a ler o livro, que fala sobre Fantasia, um reino fantástico (com um nome destes, era de se esperar) que está ameaçado por um terrível mal: o Nada. Devido à atuação do Nada, a Imperatriz Menina está doente e, em uma tentativa de encontrar uma cura, Atreyu é enviado em uma jornada por toda Fantasia, protegido pelo AURYN (sim, todo em maiúsculas mesmo).

A história acaba por envolver completamente Bastian... literalmente.

Lançado em 83, escrito pelo alemão Micheal Ende, História Sem Fim ganhou sua adaptação para os cinemas no ano seguinte, uma segunda adaptação sete anos depois, MAIS UMA quatro anos depois da segunda e o coração de centenas de milhares de fãs até hoje. Mas hoje, limitarei-me à primeira adaptação.


Até hoje eu me surpreendo com a qualidade da adaptação feita para o cinema, devido à fidelidade ao livro original. Li o livro tem relativamente pouco tempo, mas foi uma experiência incrível, pra dizer o mínimo. Cada página eu ia revendo as cenas do filme e dizendo: "Eu lembro disso!" Minha lembrança do filme é tão forte, que até hoje eu vejo Atreyu como Noah Hathaway, não como ele é descrito no livro. As mudanças que houveram foram poucas e foram colocadas de maneira que não interferem com nada. Pra ser sincero, acho que a maior diferença que consigo lembrar é o fato de Artax não falar. Ok, retiraram alguns personagens e alguns outros são introduzidos de maneira diferentes, mas como eu disse: não interferem muito com a história.

Os efeitos visuais são de encher os olhos, em alguns casos, até hoje. Pra época, certamente foi uma coisa absurdamente incrível, considerando que foi o filme mais caro feito fora dos EUA ou da União Soviética na época, com um custo de 27 milhões de dólares. O castelo de cristal da Imperatriz Menina me agrada muito mais do que qualquer coisa que a Disney queira fazer, isso eu digo. 

E temos o Falkor, meu personagem favorito:


Só de curiosidade: Esse boneco está em exposição até hoje na Alemanha, e você pode montar nele!

A trilha sonora do filme também marcou história, com a música-tema chegando às paradas de sucesso e com a música-tema americana sendo regravada por vários artistas no decorrer dos anos. Ainda no departamento de som, eu admito que nunca vi esse filme com o som em inglês, apenas com a dublagem em português, no Cinema em Casa. Talvez eu arrisque ver o filme com o som alemão, um dia...

Bem, espero que tenham gostado e que se inspirem a assistir e ler História sem Fim. Eu certamente estou com vontade de rever o filme...

Até o mês que vem, com mais Livros Para Assistir!

O Bode


____________________________________

 

2 comentários:

  1. O que eu lembro do 2º filme é que o Bastian tinha cara de menina (muito parecido com a atriz do filme "ela é o cara") e do terceiro é que nenhum dos personagens tinha nada a ver com os filmes anteriores, que o estúdio que fez os bonecos era o mesmo da Família Dinossauro e que o vilão era o Jack Black (O amor é cego/Tenacious D, entre outros).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vou confessar que só lembro do primeiro filme e mesmo assim apenas alguns detalhes mais marcantes... talvez eu devesse revê-lo para matar a curiosidade...

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog