2 de março de 2013

Gazeta de Longbourn: Conversas Sobre Jane Austen em Bagdá

"Fiquei chocada em saber que você e o Ali cresceram sendo acordados com o canto dos pássaros e agora estão cercados por carros bomba e sirenes. As lembranças são tão delicadas que deveriam ser trazidas à tona sempre, especialmente quando elas têm significados para vocês."
O título do livro é talvez algo enganoso, uma vez que não há assim tantas referências a Austen, mas não se preocupe: se você teve sensibilidade para a ficção de Austen, essa obra – bastante real – certamente te conquistará.

Conversas sobre Jane Austen em Bagdá reúne a correspondência por email de uma jornalista britânica, Bee Rowlatt e uma professora iraquiana, May Witwit ao longo de três anos logo após as primeiras eleições no Iraque pós-invasão.

Bee primeiro conhece May quando a entrevista para um programa sobre as expectativas em torno da eleição. Logo eles começam a trocar mensagens outras, sobre suas vidas, família, problemas pessoais e, no caso de May, o cotidiano em uma zona de conflito. A amizade que termina por uni-las me faz pensar na proximidade das irmãs Dashwood ou das irmãs Bennet mais velhas.

May é uma professora universitária que ensina literatura inglesa (e é aqui que entra Austen, mas apenas de relance) e direitos humanos (o que ela mesma considera uma ironia) numa faculdade para mulheres. De família xiita, casou-se com um sunita e por conta disso acaba sofrendo o preconceito de todos os lados possíveis – não bastasse ser mulher numa sociedade extremamente machista e professora, numa época e lugar em que informação e cultura estão sendo perseguidos, ela ainda recebe o desprezo da própria família e da família do marido, passando a conviver particularmente com o pesadelo das perseguições das milícias aos sunitas.

Isso para não falar que ela já foi casada anteriormente, o primeiro marido era um alcoólatra, ela se separou, casou com ele de novo, sofreu o pão que o diabo amassou e terminou viúva. Considerando tudo, é quase surpreendente que May tenha não apenas sobrevivido, mas também tido coragem para contar sua história.

Quando seu nome aparece numa lista de morte condenando professores, é a gota d’água para May, que com a ajuda de Bee, tenta enfrentar a burocracia e a corrupção absurdas para conseguir um visto e sair do Iraque.

Li esse livro de uma sentada só – e quase teria virado a noite para conseguir terminá-lo. A história de May e Bee é inspiradora, por vezes cheias de um humor, em outras verdadeiramente angustiante: enquanto mais e mais obstáculos surgem no caminho de May, é impossível não partilhar do sentimento de impotência de Bee diante dos fatos. Perseguição, ameaças de morte, erros na embaixada e travessias perigosas contrastam com o prosaico de se preocupar com a falta de energia para secar os cabelos ou problemas mecânicos com o carro.

Conversas sobre Jane Austen em Bagdá é um livro emocionante, que fala muito ao nosso senso de solidariedade e humanidade – ele é um livro, sobretudo, humano. E é também um livro sobre uma amizade como poucas – na ficção ou fora dela.


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog