21 de fevereiro de 2013

Projeto Baudelaire: O Lago das Sanguessugas

Caro Leitor,

Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade. Todas as histórias sobre essas três crianças são uma tristeza e uma verdadeira desgraça, e a que você tem nas mãos talvez seja a pior de todas.

Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro.

Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores.

Respeitosamente,
Lemony Snicket.

Neste terceiro título da série, os irmãos Baudelaire – Violet, Klaus e Sunny – são mandados para viver com a tia Josephine em sua isolada casa à beira de um precipício prestes a despencar no Lago Lacrimoso, conhecido por suas sanguessugas mais que famintas.

Tia Josephine é uma viúva que desde que o marido morreu, passou a ter fobia por praticamente tudo o que a cerca (incluindo, mas não restrito ao aquecedor, o que não é muito condizente com o clima do lugar em que ela vive...), exceto por livros de gramática.

Ignorando a tragédia anunciada que é morar à beira de um lago povoado por animais que aparentam uma especial predileção por carne humana (inteligentes e famintas o suficiente para te tirar de um barco – se bem que se você está num barco em pleno Lago Lacrimoso, você provavelmente tem impulsos suicidas...), há um furacão a caminho.

E claro, Olaf também está de volta, desta feita posando de velho lobo do mar, sob o nome de Capitão Sham (um nome que significa, literalmente, impostor...), que tia Josephine considera encantador – sabe-se lá como isso é possível...

Claro que isso não pode acabar bem, não é verdade?

Falar mais do que já falei entregaria completamente a história, porque esse volume é cheio de reviravoltas e complicações inesperadas – e mortes horrendas, covardias vergonhosas e, por mais inacreditável que possa parecer, o agravamento da situação dos três irmãos.

Quem assistiu ao filme Desventuras em Série com Jim Carrey no papel do Olaf talvez goste de saber que ele termina junto com esse volume e que há ainda mais dez livros de horror, miséria e órfãos desafortunados à sua espera.

Fantástico, não?

(E não, não estou sendo irônica...)


A Coruja


____________________________________

 

4 comentários:

  1. Como assim ele termina junto com esta história? Depois deste livro o antagonista é outro?

    Eu adoro o filme! E esta é minha parte favorita adoro a Meryl Streep de tia Josephine.

    ResponderExcluir
  2. Ele é o filme termina nesse livro, não o Olaf que termina sua participação. Ele vai até o fim, não se preocupe ;)

    ResponderExcluir
  3. Eu que sempre corro desses livros e filmes com tristeza, não sei como adoro essa série, loucura talvez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é parte do charme da série, esse humor negro, negro...

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog