31 de janeiro de 2013

Livros Para Assistir: A Megera Domada


Bom dia/tarde/noite, leitores do Coruja! Hoje eu inauguro uma nova coluna mensal aqui no blog! Nela, irei (tentar) trazer para vocês a comparação entre livros e algumas de suas adaptações para as telas, grandes ou pequenas. Ainda não tenho tudo organizado na cabeça (e a Lu vai querer minha cabeça em uma bandeja por conta disso...), então o enfoque pode variar uma pouco de mês a mês. Ah, haverá spoilers... Leiam por sua conta e risco.

Admito que estava em dúvida sobre que dupla livro/adaptação falaria primeiro, mas no final acabei lembrando da "zerézima" lei dos Tv Tropes: SHAKESPEARE FEZ PRIMEIRO! Sendo assim, portanto, desta maneira hoje falarei sobre A Megera Domada, que dentre as peças do autor que li, é a minha favorita.

A premissa da peça é que o pai, Batista, tem duas filhas: a doce e amável Bianca, mais nova, que possui vários pretendentes; e Catarina, a titular megera do título, que já afastou vários pretendentes a sua mão, com seu gênio irascível e com algum pesado objeto arremessado contra a cabeça do infeliz. A situação se complicou depois que o pai das duas disse que Bianca não se casará antes de Catarina.

Mas eis que surge no horizonte Petruchio, nobre (falido) de Verona, que é instantaneamente atraído pelo enorme dote de Catarina. Bem, Petruchio e Catarina acabam se casando, apesar dos protestos da noiva, e mudam-se para Verona, onde o marido faz de tudo para dobrar a esposa à sua vontade.

No final da peça, Bianca também está casada e Catarina se tornou uma esposa exemplar (para os padrões da época), obediente e amável.

Esta peça, possui um bom número de adaptações, entre elas o excelente filme 10 Coisas que Odeio em Você, com Heath Ledger e Julia Stiles. Mas não é dele que irei falar hoje... eu irei falar de...


O Cravo e a Rosa! Novela brasileira que foi ao ar em 2000, tira seu título de uma cantiga popular, sobre um casal que briga, mas que no final acaba se casando.
O cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O cravo saiu ferido
E a rosa despedaçada
O cravo ficou doente
E a rosa foi visitar
O cravo teve um desmaio
E a rosa pôs-se a chorar
A rosa fez serenata
O cravo foi espiar
E as flores fizeram festa
Porque eles vão se casar
Como não poderia deixar de ser em uma novela brasileira, é tudo muito mais complicado do que parece. Catarina Batista, interpretada por Adriana Esteves, aqui é uma moça inconformada com o papel da mulher nos anos 20, enquanto Julião Petruchio, interpretado por Eduardo Moscovis, busca o dote para salvar sua fazenda, que corria o risco de ia a leilão.

Como na peça, eles se casam, e a vida dos dois é expandida um bocado. O casal realmente se ama, mas nunca vão admitir isso na frente um do outro. A abertura representa muito bem isso: quando sozinhos, um fica pensando no outro, com cara abobalhada, mas quando estão frente-a-frente, estão pulando nos pescoços um do outro (ou então jogando o cônjuge na cama...).


Mas como parece que o público brasileiro não fica satisfeito se não tiver (mais) baixaria, temos ainda as mulheres apaixonadas pro Petruchio, Lindinha (Vanessa Gerbelli) e Marcela (Drica Moraes). Bem, mudaram UM BOCADO a história.

Eu gostei muito da caracterização dos personagens que aparecem na peça original, e o casal principal conseguiu passar muito bem o relacionamento de seus personagens no início do casamento, se lembrarmos que Petruchio passou a ver a noiva "como um desafio" depois de levar a primeira bofetada. Eu sou apaixonado pela atriz que fez Bianca, Leandra Leal, e sempre achei que ela fez o papel da mocinha meiguinha muito bem.

Os personagens adicionais que apareceram na trama vieram pela necessidade de se ampliar a novela para os padrões nacionais, de acompanhar a história por meses e meses, para que houvesse mais história para ser contada (as maquinações de Lindinha, as brigas por conta de Marcela, as tentativas de Joaquim arruinar Petruchio, etc) renderam uma ótima audiência, tanto que a novela foi estendida por 70 episódios além do inicialmente planejado.

No geral, eu gostei um bocado da novela. Uma história engraçada sem cair no pastelão me agrada muito. Poderia ter passado sem tantas intrigas e maquinações, mas não chegam a atrapalhar TANTO assim... O Bode recomenda, no final das contas.

Ah sim, só por curiosidade: Além de ter sido baseada em A Megera Domada, esta novela também foi baseada em outras duas novelas brasileiras: A Indomável, de 1965 pela Rede Excelsior, e em O Machão, de 1975 pela Rede Tupi. Estas duas, por sia vez, são baseadas em... A Megera Domada!

Por hoje ficamos por aqui, caros leitores. Espero que tenham gostado da coluna e nos veremos no mês vem, com mais Livros para Assistir!

O Bode


____________________________________

 

6 comentários:

  1. Adorei a sua sugestão. O Cravo e a Rosa foi uma das novelas que mais gostei. Mas acho que sem as intriguinhas a novela não se sustentava tanto. Mas apesar de eu retirar estas duas antagonistas (talvez não a Drica Moraes, porque gosto muito dela) e diminuir vários episódios pra ficar menos enrolada, eu adorava os personagens coadjuvantes!!

    Acho que "A megera..." é uma peça que rende várias adaptações e sempre vai ser adaptável pra qualquer estilo. Outro que sofre muito disto é Orgulho e Preconceito. (Sofre muito, não no sentido pejorativo, de todo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu recomendo todas as adaptações de Megera com que já cruzei na vida, em especial a versão da Julia Quinn XD

      Excluir
  2. Engraçado como essa foi a única novela que consegui assistir. Concordo que a adaptação foi mesmo muito boa, mas as "Mexicanices" para sustenta-la as vezes me irritavam um pouco (acho que é por isso que não gosto muito de novelas). Mas apesar disso, era mesmo muito engraçada, sempre me matava de rir com o jeitão bruto do Petruchio e aquela família dele... ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostava dessa novela também, achava ela ridiculamente divertida...

      Nunca gostei muito de A Megera Domada, mas não é engraçado como todas as adaptações desse livro são extremamente divertidas?

      Excluir
  3. a minha personagem preferida concerteza é a Marcela antes dela entrar depois que ela entrou a novela ficou muito mais legal e apesar dela ser uma vilã ela era muito divertida e linda.amo a Drica Moraes e acho ela muito linda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que não me lembro muito da Marcela...

      "O Cravo e a Rosa" era bem uma novela que merecia ir para o Vale à Pena Ver de Novo, não era?

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog