30 de junho de 2012

A Vertigem das Listas: Seis Grandes Histórias do Amor


Lu: Então que estamos de volta com nossas fantásticas listas e diálogos surreais, agora em junho no clima do dia dos namorados, com o tema Seis Grandes Histórias do Amor. Posso dizer coitado do Dé? Ele está reclamando desde ano passado que não ia saber o que escrever nesse tema...

Dé: Convenhamos, eu não sou um megaleitor de romances. Normalmente leio coisas que, coincidentemente, tem um romance ou outro no meio. Curiosamente, acho que tive mais dificuldades mês passado...

Dani: Bom, sou forçada a admitir que também nunca fui uma leitora muito assídua de romances, mas vá lá, a Rainha manda, a gente faz... *chicote estalando*

Lu: Aviso logo que se alguém disser “Romeu e Julieta”, apanha. XD

Dé: Depois do seu especial Os Babacas de Shakespeare, acho que ninguém seria louco o bastante...

Dani: Mas mesmo assim não deixa de ser um clássico extremamente popular! *querendo confusão XD*

Dé: Quer me ver morto, Dani? Mal entrou e já quer me matar!

Essa é das minhas! XD


Lu: Se comportem, crianças...

Então, acho que eu começo esse mês, né? O primeiro casal da minha lista já teve uma análise profunda escrita aqui no blog, na época em que fiz o especial sobre Jane Austen: Anne Elliot e Capitão Wentworth, do romance Persuasão.

Deixando de lado minha fascinação com uniformes... Anne e Wentworth são, para mim, um exemplo de amor maduro, uma grande história de amor capaz de sobreviver a enganos, separações e mágoas. Em qualquer lista que eu faça de romances favoritos, é óbvio e certo que eles entrarão.


Dani: Tinha de ter Austen por aqui... ^^ Eu gosto da Anne e do Wentworth, exatamente pelo fato dela não ser tão jovem como todas as outras personagens principais da Austen, e também por o romance depender de uma segunda chance na vida deles... é realmente bonito. Embora entre os casais dela eu prefira Fanny Price e Edmund Bertram. Mansfield Park é o meu preferido dela.

Lu: Eu estou para reler Mansfield Park. Minha lembrança da primeira leitura é de um casal bastante sem sal, mas vejamos o que virá a seguir...

Dani: O casal que eu vou apresentar como minha primeira escolha para a lista na verdade é Tristão e Isolda, a belíssima e trágica lenda medieval entre o cavaleiro da Cornualha e a princesa da Irlanda. Que eu saiba, me corrijam se eu estiver errada por favor, essa história tem origem céltica e foi recontada e modificada diversas vezes, chegando a ser incorporada às histórias do Rei Arthur, sendo Tristão um dos cavaleiros da távola redonda. É uma história cheia de reviravoltas, conspirações e um final tão triste e dramático que faria até mesmo o mais frio ser humano (sabe aquele que não chorou quando a mãe do Bambi morreu? Dé:Tipo eu?) pelo menos dar um suspiro de lamento. É um dos meus romances favoritos, com certeza; belo, lendário e trágico, não tem como não gostar pelo menos um pouquinho dele depois de conhecer.

Lu: A história tem origem céltica, sim, Dani. Confesso que prefiro o triângulo amoroso formado por Marcus, Tristão e Isolda, que aquele entre Guinevere, Lancelot e Arthur. Guinevere não me desce bem.

Dé: A minha primeira escolha de grande história de amor é... grande.

Lu: Isso soou como uma piada infame...

Dé: Era a idéia.

Dani: Hehe, gostei...

Dé: A Odisséia narra a história de Ulisses, tentando retornar ao lar e para sua esposa, Penélope, após a Guerra de Tróia. O problema é que a guerra durou 10 anos e na volta, no auge de sua genialidade *sarcasm mode ON*, Ulisses ofende Poseidon, que atrasa como pode o retorno dele.

Digo, só na ilha de Calypso o cara passou 7 anos! É, Ulisses não é o motivo pelo qual incluo o casal na lista... Penélope, por outro lado, mais do que compensa pelo marido! Quando todos pensavam, ou já tinham a certeza, de que Ulisses estava morto e queriam que ela casasse novamente, ela continuava fiel ao marido, na certeza de ele vivia. Quem não lembra da história de como ela tecia uma mortalha para o sogro, Laertes, durante o dia mas desfazia o trabalho durante a noite? Se bem que com pretendentes como os que ela tinha, não era de se admirar...


Dani: Penélope com certeza tem toda a minha admiração, mas Ulisses... Bom, verdade seja dita, nunca fui muito com a cara dele... Ela merecia mesmo é um Arquimedes!! XD

Dé: É, mas ele não era um dos pretendentes. E mesmo que fosse, teria morrido no final... =P

Lu: Eu gosto do Ulisses. Ele tem toda a minha admiração e metade do meu coração; foi, muito provavelmente, uma de minhas primeiras paixões literárias. E como não poderia deixar de ser? Ele foi a mente por trás do Cavalo de Tróia!

Dani: Mas ainda não gosto dele...

Lu: Mas se fosse para ficar com uma personalidade grega... eu acho que escolheria Péricles. Mas estamos saindo do tema!

Fiquei pensando com meus botões sobre quem eu colocaria como meu segundo casal... até me dar conta que estava me aproximando da questão de forma errada... a lista não é dos meus casais favoritos, mas de grandes histórias de amor literárias.

Larguei mão de dois casais que tinha em mente porque embora eu adore esses personagens, não posso exatamente dizer que suas respectivas histórias de amor aparecem nas histórias com algum destaque. Tentei então me concentrar em outras plagas...

E foi aí que me lembrei de The Princess Bride - que descobri que foi traduzido e lançado aqui no Brasil como O Noivo da Princesa. Mais hein?


Dé: Tenho. Que. Resistir. A vontade. De dizer... Ah, desisto! Vou dizer! "Olá. Meu nome é Inigo Montoya. Você matou meu pai. Prepare-se para morrer." XD

Dani: XDDD Clássica!!!

Dé: EXATAMENTE!

Lu: Gente, eu surtei, porque dois dias depois de ter encontrado o livro em português, me deparei com o DVD original do filme. Que coisa linda e maravilhosa! Claro que comprei no ato! Clássico da Sessão da Tarde!

Dé: Sabe que eu quero, né?

Lu: Vou pensar no seu caso...

Bem, o livro de Goldman não é um clássico profundo repleto de tiradas mitológicas ou filosóficas... ou pode ser lido dessa forma, se você quiser, inclusive com interpretações metalingüísticas... O importante aqui, contudo, é o romance entre Buttercup e Westley – e, francamente, se a história dos dois não é um grande romance, não sei mais o que poderia ser.

Westley desafia a própria morte por Buttercup e enfrenta todo o tipo de sacrifícios mesmo enquanto acredita que ela não lhe foi fiel, enquanto Buttercup perde toda a vontade de viver enquanto acredita que Westley está morto – e no meio disso tudo você tem duelos de espadas (Dé:entre não-canhotos!), vinganças, intrigas e tramóias de assassinatos.

E de bônus você ainda leva o Temível Pirata Roberts.

Considerando que já comparei Wentworth com um pirata autorizado, acho que podemos chegar à conclusão que tenho uma bizarra fascinação com piratas. Vá entender...


Dani:Eu já conhecia essa história de outras era, mas infelizmente ainda não li o livro... Alguém me empresta?? Sem muita esperança de receber de volta, é claro... (existe um termo para cleptomaníacos por livros? XP)

Dé: Da última vez que verifiquei... Cleptomaníaco. =P

Lu: Eu providencio uma cópia para você, Dani... gosto de espalhar minhas fixações literárias por aí, para ter com quem conversar XD

Dani: Bom, a minha segunda escolha também é uma lenda, mas da nossa querida Terra Média, para mim a história de Beren e Luthien é uma das mais importantes do Silmarilion e uma das mais belas que eu já vi, sendo a princesa élfica, Luthien, inspirada na própria esposa do Tolkien, Edith, grande amor de sua vida. Tanto que quando ela morreu, ele mandou escrever em seu túmulo:
“É breve e simples [o epitáfio], a não ser por Lúthien, que tem para mim mais significado do que uma imensidão de palavras, pois ela era (e sabia que era) a minha Lúthien [...] Nunca chamei Edith de Lúthien, mas foi ela a fonte da história que, a seu tempo, se tornou parte de O Silmarillion.”
É claro que, inspirado em alguém a quem amava tanto assim, não dava para não sair uma história tão bela quanto essa, tendo o romance impossível entre duas raças, mas com uma princesa longe de ser a maria-mole que geralmente se espera, que luta e se sacrifica e que não hesita em ir atrás do que quer. Bem falemos, ela é que é a grande heroína da história, o que não tira a beleza da lenda, nem sua grandiosidade. É por isso que eu amo Tolkien! Ele pode ser clássico em muitos pontos de suas histórias, mas sempre sabe como fugir dos padrões aqui e ali.


Dé: Na verdade, seria mais um caso de ele CRIAR os padrões...

Lu: Eu já falei antes o que tinha para falar de Beren e Lúthien. E Tolkien. Eu me casaria com Tolkien, se pudesse...

Dé: Com Tolkien também? Acho que já te ouvi dizer isso pra uns trocentos autores e personagens. =P

Tive meu primeiro contato com o segundo casal através do filme do livro, aonde o romance teve mais foco. Estou falando de Tristran e Yvaine, de Stardust.

Os dois começam com interesses bem diferentes em relação um ao outro: Tristran queria Yvaine como presente para a (então) amada e Yvaine só queria estar o mais longe possível de Tristran, de preferência de volta no céu, como boa estrela que é. E se você não sabia que ela era uma estrela... bem, agora você sabe. XD

O que eu gosto da história dos dois, é como aos poucos eles vão se conhecendo melhor, se ajudando e, entre discussões, fuga de uma bruxa e príncipes assassinos e atravessando meia Faerie, se apaixonando.


Dani: Esse casal foi uma surpresa!! Eu não esperava por essa indicação, mas adoro esses dois! Mesmo que não tenha conseguido ler o livro todo... (conseguiram pegar o livro de volta antes que eu não devolvesse nunca mais...T.T).

Dé: Mostra que o dono tem bom senso (além do bom gosto para livros), considerando-se a pergunta que tu fez ali em cima, Dani... XD

Lu: Meu deus, estou cercada de ladrões de livros! Tenho de providenciar um cadeado para minha estante...

Dé: E isso ia fazer alguma diferença? Cadeados não são confiáveis. =P

Dani: Eu sou bem sua filha, hein Dé? XD

Lu: Nessa nota, despeço-me até mês que vem, porque agora tenho de ir pesquisar um bom sistema anti-furtos para minhas preciosas coleções...


____________________________________

 

14 comentários:

  1. Muito bom esse papo de hoje, também teria dificuldade em listar casais, de filmes seria mais fácil, porque eu pulo mesmo as partes mais melosas mas livros de romance não são bem uma escolha... E esse lado da Lu que quer todos os homens pra casar...que eu não conhecia.. foi ótimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... então que eu não quero montar um harém, mas é o que parece pela lista, né? Fazer o quê... é a vida!

      Excluir
  2. Báh eu amoooooooooooooooooooooo A vertigem das listas, AMO!! Adorei a escolha das histórias de amor, Dé ganhou para sempre meu coraçãozinho Neilgamaniano escolhendo Tristan e Yvaine <3 <3 <3 <3 <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Mi! =D

      Adorei o relacionamento dos dois; mas sou suspeito, por ser fã de personagens birrentos. =P

      Excluir
    2. Olha o Dé conquistando as leitoras... ¬______¬

      Excluir
    3. Posso morrer de rir aqui com a Dani tendo ciúmes do Dé?

      Estou só esperando ela começar a chamá-lo de papito para ter morte por asfixia de tanto gargalhar XD

      Excluir
    4. Não dá idéias, Lu... =P

      Excluir
    5. Mas é claro... Vai saber quem ele vai me arrumar de madrasta. Tenho de ficar de olho.

      Não é, papito? XD

      Excluir
    6. suas mentes doentias, o que marido irá pensar dessa conversa hein? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Fala sério melhor ideia que Lu já teve foi chamar Dé & Dani para fazer essa coluna, "morte por asfixia de tanto gargalhar"? vemos por aqui

      Ri tanto desses comentários que Padawan veio ver o que era tão engraçado... do alto dos seus 8 anos, começou a tecer uma teoria de que todos nós pegamos alguma doença, um tipo que só ataca leitores KKKKKKKKKKK

      Excluir
    7. Oh, céus... Tão vendo, Dani e Dé? Vocês estão causando EPIDEMIAS! Tisc tisc pra vocês...

      Mi, te prepara com o que vem por aí... nós três estamos aprontando todas nos bastidores ;)

      Excluir
  3. kkkkk pior que eu tb adorooo Tristan e Yvaine! Para mim, eles cresceram juntos, numa história linda!

    Agora, Anne e o Capitão Wentworth tb são demais! Persuasão é demais! Livro perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oui, oui! Ai, o capitão com aquele uniforme... nham, nham...

      Excluir
  4. Agora, vou postar aqui, pq nao consigo comentar em ases!! Td vez que fico sem ter algo que ler enquanto almoço, eu abro ases, e sempre adoro!!!
    E se eu bem me lembro, era um dos planos para o segundo semestre, né??? hehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flávia, com a correria que ando, não garanto nada... mas, sim, está nos planos ressuscitar Ases no segundo semestre, porque 2013 quero começar novos projetos e para isso preciso terminar os antigos. Então bora escrever!

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog