7 de junho de 2012

Projeto Pratchett: The Last Hero

"Ninguém se lembra do cantor. A canção permanece."
Para compreender a história desse livro, é preciso ter em mente os fatos de Interesting Times – com a volta de Rincewind para o Disco, a invasão do Império Agateano por Cohen, o Bárbaro e sua Horda Prateada e a conseqüente sucessão do trono.

Enfim, após uma vida inteira de aventuras e conquistas de tudo o que poderia ser conquistado, Cohen e companhia decidem que é hora de ensinar uma lição aos deuses, vingando-se por todas as perdas (e dores, reumatismos, artrites...) que o tempo e a morte lhes causaram. Para tanto, eles pretendem tomar de assalto Cori Celeste, a montanha sobre a qual o panteão do Disco reside, devolvendo aos deuses aquilo que o primeiro herói roubou deles: o fogo.

Claro que não se trata de uma simples devolução, já que eles pretendem devolver o fogo explodindo a montanha e, sem que eles saibam, destruindo o mundo. Para tanto, eles seqüestram um bardo - afinal, de que servem atos heróicos sem um bardo para cantá-los - colhem um super vilão no caminho e se preparam para o Valhalla.

Para resolver o problema que os (idosos) heróis estão a caminho de gerar, é organizada uma expedição para impedi-los: Leonardo de Quirm (que projetou a espaçonave que servirá de transporte para a missão), Rincewind (que é considerado algo como um ‘amigo’ por Cohen) e o capitão Cenoura da Guarda.

The Last Hero é uma história mais curta que a maioria dos livros da série, tendo sido lançado num formato maior, repleto de ilustrações coloridas. Apesar de curta, é uma história repleta de grandes momentos e sacadas geniais. Pratchett foi da lenda de Prometeu, na mitologia grega, até a primeira viagem do homem à lua – e há qualquer coisa de catártico na visão que temos do Disco no espaço.

É, enfim, um livro sobre o mito, e sobre como certas pessoas - heróis, realmente - crescem para além da estatura humana; tornam-se imortais através das canções e lendas, alcançam status divino. Seja trapaçando num jogo de dados com o Destino, seja indo aonde nenhum outro homem foi, seja enfrentando situações impossíveis ou fazendo sacrifícios em prol de uma causa maior.

O final da história é curiosamente ambíguo... e absolutamente perfeito. Recomenda-se escutar a Cavalgada das Valquírias enquanto lê. A experiência é... inenarrável.


A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog