21 de junho de 2012

Para ler: Songs of Love and Death

In this star-studded cross-genre anthology, seventeen of the greatest modern authors of fantasy, science fiction, and romance explore the borderlands of their genres with brand-new tales of ill-fated love. From zombie-infested woods in a postapocalyptic America to faery-haunted rural fields in eighteenth- century England, from the kingdoms of high fantasy to the alien world of a galaxy-spanning empire, these are stories of lovers who must struggle against the forces of magic and fate.
Surtei ligeiramente quando me deparei com esse livro pela primeira vez, ainda em pré-venda. À época, contudo, só estava disponível a edição de capa dura e decidi esperar com ele em minha lista por um tempo. Aí no começo do ano, quando estive em Fortaleza, cruzei com ele na Cultura – e o Dé é testemunha de que quase pulei na estante quando o vi – tinha saído uma versão mass market, que por vezes chegar a ser até um quarto do preço de um hardcover.

Não precisei de muito encorajamento para carregá-lo comigo na volta pra casa.

Agora, a primeira coisa que tenho a comentar é uma crítica. Foi algo meio propaganda enganosa colocar o nome do George Martin na capa – como organizador da antologia, a única coisa que ele faz é emprestar o nome, sem escrever qualquer dos contos.

Mas tudo bem... uma vez que se supere esse ponto, Songs of Love and Death vale muito à pena. É claro que em uma antologia você terá boas histórias e outras nem tanto, mas no saldo total do livro, o resultado é muito positivo.

Gostei da maioria das histórias. Algumas são verdadeiramente excepcionais. Todas têm na essência o conceito de ‘star-crossed lovers’ (existe um termo em português para isso?) – há finais felizes, outros nem tanto; paisagens de contos de fadas, narrativas surreais com super-heróis e outras referências pop, fantasmas, ilusões, deuses, magos, fadas, aliens, viagens no tempo, inteligência artificial, reencarnação e side stories de sagas já consagradas pelo grande público.

Difícil decidir uma favorita também... o livro já abre bem com Love Hurts, do Jim Butcher, que me fez recordar mais uma vez porque gosto do Dresden... e mostrou algo que sempre tive uma certa curiosidade em descobrir: se há alguma possibilidade no relacionamento do mago e Murphy.

Rooftops tem qualquer coisa de metalingüística e um final tão surpreendente que tive de parar de ler por uns dez minutos para processá-lo. Em Hurt me, a revelação sobre o passado da protagonista e como ela enfrenta seus traumas e neuras também é bastante surpreendente.

Blue Boots talvez tenha sido o que mais me encantou, é um conto incrivelmente delicado e tem como herói um bardo – e, realmente, como a jovem botas azuis sabe perfeitamente bem, você nunca deve confiar num bardo; mas como não se apaixonar por eles?

After the blood tem um incrível potencial; me deixou pra lá de curiosa de ler mais sobre o cataclismo qualquer que tenha sido que transformou o mundo daquela maneira... dos alienígenas que aparecem nos vários contos, o que mais gostei foi Courting Trouble - adorei as trocas de farpas entre Serri e Nic enquanto investigam a história das extorsões e roubos de carga num dos pontos intergaláticos da Federação.

Há outras histórias, outros tantos amantes destinados a ficarem ou não juntos... Songs of Love and Death tem contos para todos os gostos. Uma boa pedida para o mês de férias que se aproxima...


A Coruja


____________________________________

 

2 comentários:

  1. Meu deus, eu quero esse livro ç_ç

    (Engraçado como estive dizendo isso com certa frequência nos últimos tempos...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conte-me uma novidade... XD Eu estou sempre querendo mais livros...

      Excluir

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog