26 de abril de 2012

Projeto Pratchett: The Last Continent



"It is said that your life flashes before your eyes just before you die. That is true, it's called Life."

Terry Pratchett – The Last Continent
Após os eventos de Interesting Times, em virtude de um ligeiro erro de cálculo dos magos da Universidade Invisível, Rincewind acaba indo parar no grande continente desconhecido de XXXX, cujas semelhanças com a Austrália (incluindo a Ópera de Sidney) não são mera coincidência.


Talvez Rincewind tivesse conseguido viver uma existência razoavelmente tranqüila vagando pelos desertos de XXXX, onde a probabilidade de encontrar animais que não sejam venenosos/predadores naturais/extremamente perigosos a cada curva ou esquina é próxima a zero... ignorando a parte em que é perseguido por um canguru que é também um deus ou emissário divino com pendor a pregar peças. Mas o Bibliotecário está gripado, o que mexe com seu campo morfológico de forma que a cada espirro, ele se adapta às circunstâncias e pode se tornar uma cadeira, um livro ou uma bóia, a depender do ambiente.

Para curar o Bibliotecário, é necessário magia... e para fazer tal magia, é preciso que se saiba o nome real dele. Contudo, todos os registros da Universidade que poderiam ter tal informação sumiram misteriosamente; não há ninguém da época do Bibliotecário a quem se possa perguntar e o próprio mostra-se bastante relutante em divulgar este detalhe pessoal.

Rincewind, porém, não apenas já estava na Universidade Invisível à época em que o Bibliotecário ainda era humano, como também é o assistente dele – o que significa que, na pior das hipóteses, ele seria o responsável por assumir a vaga. Ele é, portanto, a salvação do caso.

Assim é que o magos, liderados por Ridcully – que aparentemente está numa fase de estudos corporativos e políticas positivas de administração – acabam por partir numa jornada atrás do mestre de geografia da universidade (paradeiro ainda desconhecido), encontram uma janela misteriosa que se abre para uma ilha tropical no início do mundo (de forma literal) e se deparam com os mistérios da teoria da evolução; começando de Darwin e avançando até a galinha, com uma parada estratégica no meio do caminho para tentar explicar a um deus as vantagens da existência de feminino e masculino e conseqüentemente, da procriação a nível pluricelular.

Coisas que só Pratchett faz por você.

Enquanto isso, Rincewind tenta escapar ao seu destino de salvar o mundo (de novo), fazendo chover em XXXX – um lugar em que as pessoas acham que a idéia de água caindo do céu é não apenas folclore, como bastante ridícula.

Em comparação com seu predecessor, The Last Continent não é tão empolgante – afinal, existe um limite de quantas vezes você pode achar engraçado Rincewind relutantemente ir ao encontro de sua missão de messias. Isso não significa que não valha à pena ler este volume – em especial pelas sempre frustradas tentativas do pobre Ponder Stibbons de fazer sentido do mundo ou as tiradas sempre absurdas e surpreendentes que Ridcully consegue jogar em cima de você.
"Creators aren't gods. They make places, which is quite hard. It's men that make gods. This explains a lot."



A Coruja


____________________________________

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog