18 de agosto de 2017

Sobre cultivar vínculos e criar raízes

Nosso dragão não come as meninas que captura, não importam as histórias que contem fora do vale. Nós às vezes as ouvimos por conta dos viajantes que passam por aqui. Eles falam como se estivéssemos sacrificando um ser humano e ele fosse um dragão de verdade. Claro que não é assim: ele pode ser um mago imortal, mas continua sendo um homem, e nossos pais se uniriam e o matariam se a cada dez anos ele quisesse usar uma de nós como comida. Ele nos protege contra a Floresta, e somos gratos; mas não tanto assim.
Agnieszka vive numa pequena vila, às margens de uma Floresta sombria cuja sombra é sinônimo de corrupção e morte: ela devora passantes incautos, leva homens à loucura e despeja monstros sobre a população, de quimeras a estranhas árvores caminhantes. A única proteção do vale é um mago a quem chamam Dragão - e que por sua proteção cobra o tributo de uma jovem das vilas do vale a cada dez anos. O próximo tributo se aproxima e Agnieszka crê que sua melhor amiga, Kasia, será a escolhida. Exceto que, de forma completamente inesperada, é a própria Agnieszka que é levada para a torre do Dragão.


____________________________________

 
16 de agosto de 2017

Conversas Sobre o Tempo: La, la, la, aqui, tome uma dose de xarope!


Ontem de tarde eu estava fazendo uma lista de pendências para resolver hoje: escrever uma crônica sobre liberdade de expressão e discurso de ódio; um artigo sobre jurisdição médica e uma resenha de Enraizados (pelo andar da carruagem, estava partindo do princípio de que a essa altura já teria terminado de ler o livro). Ia ser uma pessoa responsável e acordar cedo para caminhar no entorno do prédio e levar sol - fiz exame de sangue semana passada e deu uma leve deficiência de vitamina D - e depois ia voltar pra casa e começar a trabalhar.

Exceto que no meio da noite acordei zonza e sem conseguir respirar e depois de passar boa parte da madrugada tentando encontrar uma posição em que eu não me sentisse morrendo por asfixia, levantei pela manhã com olheiras profundas, sem voz e com a disposição de um zumbi num deserto sem cérebros. D. Mãe, claro, tratou do assunto com uma talagada de xarope e cá estou eu meio bêbada, sem saber se durmo, se escrevo, se olho pela janela.

Eis então que decidi vim conversar com vocês sobre o tempo. Porque, como todo bom leitor de romances sabe muito bem, o tempo é o melhor assunto possível quando você não sabe bem por onde começar. Nada como um pouco de meteorologia para quebrar o gelo!


____________________________________

 
8 de agosto de 2017

Desafio Corujesco 2017 - Fazer um Diário de Contos || De Repente, uma Batida na Porta

Yonatan teve uma ideia brilhante para um documentário. Bateria às portas das pessoas. Apenas ele, sem equipe de filmagem, com uma pequena câmara na mão, e perguntaria: "Se vocês encontrassem um peixe dourado falante que lhes concedesse três desejos, o que pediriam?"
Descobri esse livro ouvindo o Xadrez Verbal, podcast especializado em política internacional. Não me lembro o exato contexto em que Keret foi indicado - provavelmente em alguma conversa sobre o conflito Israel-Palestina -, mas fato é que o coloquei na lista de desejados do Skoob, algum tempo depois ele apareceu para troca e mais que rapidamente, solicitei o livro. E aí ele chegou e ficou na estante parado por um tempo, até me saltar aos olhos quando estava procurando uma leitura rápida para fazer entre conexões e aeroportos.


____________________________________

 
28 de julho de 2017

A Vertigem das Listas: Sete Cavalos de Presença


Lulu: Animais estão sempre bastante presentes na ficção, e há uma miríade de fiéis companheiros que poderíamos homenagear em listas aqui no Vertigem. Decidi me restringir hoje a apenas um tipo de animal, porque se expandir demais, vamos esgotar a lista do mês e continuar jogando nomes nela… Mas acho que com isso vamos inaugurar uma leva de listas animalescas no Coruja…

Caramba, considerando que somos um zoológico, porque ainda não tínhamos feito uma lista dessas?

Enfim, o tema de julho vai para um animal que, até a invenção do carro, era nosso principal transporte terrestre. Com ele íamos à guerra, e vivíamos nos tempos de paz. Ele é sempre um fiel companheiro dos príncipes dos contos de fadas. Sim, meus caros, hoje vamos falar de Sete Cavalos de Presença!


____________________________________

 
21 de julho de 2017

Seis Lições que Aprendi com Jane Austen


Essa semana tivemos por todo o mundo eventos para marcar a data do bicentenário de morte de Jane Austen, uma das maiores autoras de língua inglesa. Apesar de ter produzido relativamente pouco - são apenas seis romances completos, além de algumas obras de sua juvenilia - sua obra entrou para o cânone ocidental, ressoando ao longo desses dois séculos em todos os cantos do mundo.

Já li e reli todos os livros de Austen, palestrei, debati no clube do livro, apresentei a amigos ou conheci pessoas que se tornariam grandes amigos meus por causa... dela. Nos últimos quinze anos (considerando que meu primeiro contato com a autora foi por volta dos meus quatorze), Austen foi uma companheira constante e uma fonte de conforto. Independente dos romances e dos finais felizes, os personagens de Austen sempre foram uma inspiração em seu humor, sua força e independência - e essas são as lições que aprendi com eles ao longo de todo esse tempo.


____________________________________

 
13 de julho de 2017

Conversas sobre o Tempo: Uma História (Sentimental) da Leitura


Dia desses estava passeando na livraria e me deparei com a nova edição do Manual do Escoteiro Mirim, o que me precipitou numa viagem às minhas memórias de infância: a Biblioteca do Escoteiro Mirim, junto com a coleção do Sítio do Pica Pau Amarelo são os primeiros livros que me lembro lendo, que tiveram um enorme impacto no meu desenvolvimento como leitora - e como escritora também, especialmente aqui no blog. E isso me fez refletir um pouco em como posso pensar minha história pelos livros que li com o passar dos anos, como meus gostos foram mudando, como passei por diferentes fases com diferentes gêneros literários…


____________________________________

 

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog