24 de junho de 2017

A Vertigem das Listas: Seis Histórias do Submundo


Ísis: Olá, caros mortais leitores do Coruja! Esse mês vamos aonde ninguém ousa ir, com poucas exceções. No mínimo, aonde ninguém quer ir, mas vai porque precisa por qualquer motivo. Não estou falando de dentista nem hospital - embora sejam boas tentativas - mas do inferno, ou o mundo além. Bem-vindos sejam a Seis Histórias do Submundo!

Lulu: Posso dizer que fiquei até com medo agora?

Ísis: Por quê? Submundo não necessariamente é amedrontador…

Lulu: Não tenho medo do submundo, tenho medo de você…


____________________________________

 
21 de junho de 2017

Desafio Corujesco 2017 - Uma História que se Passa no Futuro || As Melhores Histórias de Viagens no Tempo

Aquela coisa minúscula caiu no chão; aquela coisa insignificante que podia romper equilíbrios e derrubar uma sequência de pequenos dominós, depois grandes dominós e finalmente gigantescos dominós ao longo dos anos e através do Tempo. Aquilo poderia alterar o mundo.
Quando você vê uma antologia que se entitula “as melhores história de tal e tal gênero”, você sempre deve levar essa classificação com um grão de sal e uma boa dose de desconfiança: afinal, o que é bom para uns pode não ser para outros e a seleção de contos aqui passa pelo gosto pessoal dos organizadores. Não há como ser objetivo, a não ser que você decida fazer uma pesquisa global com todo mundo que já leu uma história daquele tipo na vida. A despeito disso, quando vi os autores citados na capa dessa antologia, decidi que queria lê-lo e eis então que ele aparece no nosso Desafio Corujesco de junho.


____________________________________

 
19 de junho de 2017

#AmericanGods || Diário de Viagem Episódio 08: Venha para Jesus


Adaptar uma história de uma mídia para outra não é uma tarefa fácil. Embora isso signifique que você já começa de pronto com uma audiência base, você precisa lidar com o fato de que essa audiência, fãs da obra original, têm expectativas. E aí você precisa responder à ansiedade desses fãs e ampliar seu público fazendo o roteiro compreensível para quem não conhece o original. American Gods, em sua primeira temporada, conseguiu fazer isso e ir mais além: permanecer fiel ao espírito do livro e ainda adicionar cenas e personagens e surpreender quem achava que já sabia tudo o que ia acontecer.


____________________________________

 
16 de junho de 2017

#AmericanGods || Diário de Viagem Episódio 07: Uma Prece para Mad Sweeney


O ano é 1721 e Essie MacGowan atravessa o mar rumo à América num navio de prisioneiros, trazendo consigo não apenas um bebê na barriga e um passado repleto de mentiras, mas também a crença absoluta nas lendas que ouviu da avó quando ainda era criança, dos Sídhe que dançam sob os montes verdes de sua Irlanda natal até o terrível leprechaun.

O sétimo episódio de American Gods é tudo o que você não esperaria de um penúltimo episódio de temporada, uma hora inteira em que nem por um momento temos um vislumbre do nosso suposto protagonista ou se avança no roteiro para conhecermos os planos de Wednesday. Uma escolha arriscada sem dúvida, mas a série tem sido como um todo uma história de escolhas arriscadas… e acertadas. A Prayer for Mad Sweeney pode parecer não avançar muito no plot, mas nos traz tanto em explicações, não apenas de fatos relacionados à narrativa principal, mas ao caráter dos personagens…


____________________________________

 
12 de junho de 2017

Histórias Reais Mais Incríveis que a Ficção: a tragédia do USS Jeannette

Em 8 de julho de 1879, De Long e uma tripulação de 32 homens zarpam de São Francisco no USS Jeannette com o ambicioso objetivo de alcançar o Ártico pelo estreito de Bering, em vez da até então conhecida rota ao longo da costa da Groenlândia. No entanto, apenas dois meses após a partida o Jeannette fica totalmente preso a uma enorme banquisa, e assim permanece por quase dois anos, flutuando ao sabor da maré em meio ao oceano congelado. Quando, na primavera de 1881, parece que o navio finalmente se libertará de sua prisão, um violento choque com um bloco de gelo força os homens a abandonarem a embarcação. Horas mais tarde, o Jeannette afunda, e sua tripulação se vê obrigada a vencer a pé e em pequenos botes os mil quilômetros de oceano congelado que a separam do norte da Sibéria e da frágil tentativa de sobrevivência.

Enfrentando os terríveis efeitos do frio e da neve, a fome, ferozes ursos polares e labirintos de gelo, a tripulação segue rumo a um destino incerto. Com reviravoltas impressionantes,
No Reino do Gelo é uma fascinante história de heroísmo e determinação num dos locais mais implacáveis do planeta.
Muito tempo atrás, li Ex-Libris: Confissões de uma Leitora Comum, da Anne Fadiman, e me diverti com a confissão da autora em um dos ensaios, de que gostava de colecionar livros sobre viagens ao Pólo. Não lembro agora exatamente se era o Sul ou o Norte, nem como ela explicou o interesse, mas sei que a declaração dela me deixou uma impressão forte o suficiente para que, quando vi o lançamento de No Reino de Gelo, imediatamente me lembrei dela e o livro entrou, assim, como quem não quer nada, na minha lista de futuras leituras. Aí na Black Friday do ano passado encontrei o bendito em promoção por pouco mais de dez reais e coloquei-o no carrinho para completar o frete grátis da Amazon, bem despretensiosamente.


____________________________________

 
10 de junho de 2017

Fic - Porque a Fanfiction está Dominando o Mundo

Imagine Kirk e Spock, da série Jornada nas Estrelas, vivendo um tórrido caso amoroso; ou o amor entre a humana Bella e o vampiro Edward, de Crepúsculo, chegando às últimas consequências físicas e emocionais. Essas histórias não foram escritas por seus criadores, mas estão ao alcance dos leitores por meio das fanfictions: narrativas criadas por fãs a partir de histórias e personagens consagrados. PhD em Literatura Comparada pela Universidade de Princeton, Anne Jamison mostra, neste lançamento do selo de ideias e debates Anfiteatro, as origens da fanfiction, que datam do final do século XIX, com histórias sobre Sherlock Holmes, faz uma análise da evolução desse fenômeno a partir de obras da literatura e da cultura pop, e explica como a fanfiction ampliou os limites da ideia de produção cultural ao romper o paradigma de que as histórias e os personagens são propriedade exclusiva de seus autores.
Os primeiros textos que publiquei na internet eram fanfics de Harry Potter. Entre 2004 e 2009 fui uma autora razoavelmente ativa no Fanfiction.net sob o pseudônimo de Silverghost, além de participar de um misto de fanfic colaborativa e RPG no Expresso Hogwarts como a geniosa domadora de dragões, Mina MacFusty. De lá pra cá, não escrevi mais fanfics, mas ainda leio muitas, em vários fandoms e sempre achei a ideia da ‘ficção por fãs’ um fenômeno interessante - não apenas como produtora e consumidora desse tipo de mídia, mas como uma curiosa sobre a evolução e alcance desse fenômeno cultural.


____________________________________

 

Sobre

Livros, viagens, filosofia de botequim e causos da carochinha: o Coruja em Teto de Zinco Quente foi criado para ser um depósito de ideias, opiniões, debates e resmungos sobre a vida, o universo e tudo o mais.

Cadastre seu email e receba as atualizações do blog

facebook

Arquivo do blog